Rede dos Conselhos de Medicina
"O MÉDICO QUE NÃO ESTIVER SATISFEITO DEVE PEDIR PARA SAIR", DIZ SECRETÁRIA DE SAÚDE - Leia mais notícias no Clipping Cremern 04/01/2010
TRIBUNA DO NORTE "O MÉDICO QUE NÃO ESTIVER SATISFEITO DEVE PEDIR PARA SAIR", DIZ SECRETÁRIA DE SAÚDE A secretária de Saúde de Natal, Ana Tânia Sampaio, reafirmou nesta segunda-feira (4) que vai reforçar o combate às faltas de médicos nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e nos Distritos Sanitários da cidade. "Não vamos mais tolerar faltas sem justificativas. O médico não estiver satisfeito deve pedir para sair", afirmou. Ana Tânia disse que já vinha enfrentando esse problema desde o ano passado, mas que a "gota d'água" foi o plantão do rèveillon, quando nenhum médico compareceu ao Hospital dos Pescadores, nas Rocas. "Vou pegar a escala de plantão e enviar ao Conselho Regional de Medicina e ao Ministério Público. Se não houve nenhuma justificativa plausível, esses médicos serão punidos", garantiu a secretária. Se o médico for efetivo dos quados da SMS, segundo Ana Tânia, ele vai responder a um inquérito administrativo e ainda terá que se explicar ao CRM e ao MP. "Mas se for médico temporário e não justificar a falta, será demitido imediatamente", assegurou. Diante do ocorrido na virada do ano, a secretária vai se reunir nesta segunda com os diretores das UPAs e dos Distritos Sanitários. "Quero relatórios dos plantões para identificar os faltosos. Não é de nosso interesse continuar quem uma pessoa que não esteja servindo bem à população natalense. Vamos moralizar o serviço de qualquer maneira". Recadastramento Ana Tânia lembrou ainda que cerca de 200 médicos ainda não se recadastraram junto à SMS. "Temos 784 médicos na nossa folha e até o momento cerca de 200 ainda não se recadastraram. Se até amanhã (5), quando se encerra o prazo, alguém não se recadastrar, terá o pagamento suspenso", falou. DIÁRIO DE NATAL DEMORA E DESCASO NA BUSCA POR SAÚDE Marcar uma simples consulta ou exames de alta complexidade pode levar meses quando se depende do SUS Há um ano a dona de casa Valdileide Souza, 26 anos, sente fortes dores na barriga. Os exames de fezes, urina e sangue solicitados pelo médico estão prontos desde setembro, mas ela não conseguiu mostrar os resultados ao médico. No dia 21 de dezembro, ela fez mais uma tentativa e foi ao Hospital Universitário Onofre Lopes (HUOL) na tentativa de conseguir uma ficha para um clínico geral para que os exames possam ser vistos pelo especialista. Depois de muitas tentativas e ficar horas à espera da distribuição das fichas, ela conseguiu uma vaga para o dia 22 de janeiro. Entretanto, ter o nome incluído entre os pacientes deste dia não garante atendimento. O receio da dona de casa é de voltar ao hospital e mais uma vez não ser atendida pelo clínico. "Esse período de janeiro é muito complicado porque os médicos entram de férias e faltam mesmo. Só acredito que serei atendida quando sair daqui medicada e com um diagnóstico sobre o meu problema", argumenta. Ela disse que o médico solicitou também uma ultrassonografia transvaginal, mas que até o momento não foi convocada para realizar o exame. Valdileide conta que deixou a solicitação do exame há alguns meses na Unidade de Saúde de Cidade Satélite, bairro onde reside, mas até o momento não recebeu convocação para realizar o procedimento. "Sempre passo lá e pergunto se meu nome já está perto e eles me dizem que vão ligar quando chegar a minha vez. Estou me conscientizando de que não tenho nada grave porque se não já teria morrido. Sinto dor diariamente", conta, reclamando que tem gastado muito comprando remédios para controlar a dor por conta própria. Infelizmente, Valdilene não é a única a sofrer para receber atendimento médico especializado do Sistema Único de Saúde (SUS) no Rio Grande do Norte. A empregada doméstica Maria de Fátima Lopes da Silva, 42, moradora do bairro Nova Parnamirim, município de Parnamirim, tenta - sem sucesso - conseguir uma vaga para um cardiologista há dois meses. A indisposição e as náuseas apontavam que algonão estava bem. Certo dia, ela apresentou um pico hipertensivo e teve que recorrer à urgência do Hospital Regional Deoclécio Marques. "Fui medicada, a crise passou, mas depois disso minha pressão não é mais a mesma. Quando menos espero ela sobe muito. Desde então estou tentando em Natal uma consulta com um cardiologista", disse. Para piorar ainda mais a situação, há dez dias Fátima vem sofrendo com fortes dores na coluna. Ela foi levada pela proprietária da casa onde trabalha para a urgência de uma clínica particular onde foi avaliada pelo ortopedista que detectou, através de um raio-x, dois bicos de papagaio (expansões ósseas nos discos invertebrais) e a suspeita de uma hérnia de disco (desgaste dos discos invertebrais). "O médico pediu com urgência uma ressonância magnética para poder confirmar se estou mesmo com hérnia de disco. Se até agora não consegui ir ao cardiologista que é bem mais simples, como vou fazer esse exame que é bem mais caro?", questiona. Estado e prefeitura se justificam A ressonância magnética que Fátima necessita é um exame de alta complexidade e, por isso, de responsabilidade do estado. De acordo com a assessoria de comunicação da Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) os pacientes que necessitam de exames liberados pela Sesap esperam, em média, de 7 a 15 dias, com exceção da tomografia e da ressonância magnética. No caso da tomografia a espera leva entre 30 e 45 dias, a realização de uma ressonância é ainda mais demorada: cerca de 60 dias. A Sesap informou que são poucos os hospitais e clínicas que oferecem esses procedimentos, por isso a espera é maior. Segundo a assessoria da Sesap cerca de três mil pacientes são atendidos por mês para a realização de tomografia, 1,2 mil para densitometria óssea, 1,1 mil para a ressonância magnética e 400 no cateterismo. Em novembro, a Sesap publicou uma chamada pública para que os prestadores da Sesap que realizam ressonância em crianças aumentassem o número de atendimentos realizados para suprir a demanda e também convocou outras unidades de saúde para prestarem os procedimentos. De acordo com a Sesap, dois tomógrafos foram comprados com previsão para começar a funcionar em fevereiro no Hospital Walfredo Gurgel e no Hospital Regional Deoclécio Marques, em Parnamirim. Além disso, a secretaria está providenciando a compra de mais um tomógrafo e um aparelho para ressonância magnética. Consultas Em relação às consultas, a assessoria de comunicação da Sesap informou que são de responsabilidade dos municípios. Apesar de confirmar que existe fila de espera para algumas especialidades, a coordenadora do Departamento de Regulação e Auditoria da Secretaria de Saúde de Natal, disse que precisaria de um tempo para contabilizar o total de pessoas que aguardam atendimento. A fila de espera para atendimentos e procedimentos, segundo a coordenadora, vem da pouca oferta, resultado da tabela do SUS, que não é atrativa. Procedimentos como colonoscopia, endoscopia, ultrassonografia de articulações e ultrassonografia de próstata e que necessitam deanestesia para fazer a biópsia não são atraentes para os prestadores de serviço. Para exames como mamografia, raio-x simples e contrastado não existe fila de espera. "As pessoas são atendidas muitas vezes na mesma semana", disse. Competências Exames de alta complexidade: Sesap - Tomografia computadorizada - Ressonância magnética - Densitometria óssea - Cateterismo cardíaco - Cintilografia Ecotransesofágico - Arteriografia/angiografia Litotripsia Consultas: prefeituras O MOSSOROENSE LIGA CONTRA O CÂNCER REALIZA CAMPANHA SOLIDÁRIA DURANTE VERANEIO NA CIDADE DE TIBAU Durante este mês, a Liga Mossoroense de Estudos e Combate ao Câncer (LMECC) realizará uma campanha solidária em Tibau. Aproveitando aglomeração de veranistas na cidade, a entidade realizará a partir do dia 8 de janeiro uma serie de ações com o objetivo de arrecadar fundos para os trabalhos desenvolvidos pela Liga. As atividades terão início no dia 8 de janeiro com palestras sobre o diagnóstico precoce do câncer. Além disso, a entidade disponibilizará um trailer-bazar para a venda de artigos diversos. Serão comercializadas roupas, bolsas, calçados e uma série de itens personalizados com a logomarca da instituição. A diretora da Liga, Ana Clébia Pinto, conta que durante todo verão, nos quatro finais de semana de janeiro, a campanha terá continuidade. No primeiro final de semana, no período de 8, 9 e 10 de janeiro serão realizadas atividades durante a manhã e à tarde, inclusive uma palestra sobre câncer bucal. Durante a etapa serão distribuídas escovas de dente entre os veranistas. No final de semana seguinte, no período de 15 a 17, a equipe do LMECC tratará sobre o tema câncer de pele. A ação contará com a distribuição de protetores solares. Além da equipe, voluntários ajudarão a conscientizar a população que estará em Tibau sobre os temas tratados na campanha. A terceira etapa do projeto, que será realizada entre os dias 22, 23 e 24 de janeiro, irá ressaltar a importância da prevenção contra o câncer de mama. Para orientar, principalmente as mulheres, a equipe distribuirá panfletos com explicações sobre o autoexame e outras formas de se prevenir contra um dos tipos de câncer que mais mata mulheres no mundo, o de mama. A conclusão do Verão Solidário será sobre o câncer de colo de útero. Durante os dias 29, 30 e 31 de janeiro a equipe da Liga irá esclarecer a população da cidade com palestras e distribuição de preservativos. Para dar mais visibilidade ao trabalho, um telão será instalado ao lado do trailer para divulgar a programação de atividade que serão realizadas. Além disso, a programação também incluirá atendimento a paciente com neoplasia, uma proliferação anormal do tecido e crescimento celular que pode gerar tumores. Para saber mais sobre a campanha, a LMECC disponibiliza o número 3317-0756. Centro de Oncologia passará por processo de modernização e expansão dos serviços A partir deste ano, o Centro de Oncologia e Hematologia de Mossoró (COHM) passará por um processo de modernização e expansão dos serviços que oferece. O investimento para a mudança é financiado pelo Banco do Nordeste (BNB), através de recursos do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE). Com a mudança, o COHM irá reunir todas suas unidades em um único prédio, instalado no conjunto Abolição III, possibilitando maior comodidade aos pacientes. Com 14 anos de experiência no mercado, atualmente o Centro funciona em unidades fracionadas. A proposta é que com a conclusão das obras de relocalização dos serviços, previstas para o segundo semestre deste ano, a estrutura completa do COHM fique agregada em um único espaço, numa área de 2.850 m². A previsão é de que o número de empregos diretos gerados com a obra cresça 75%, chegando a 150 postos de trabalho. De acordo com o oncologista José Cure de Medeiros, a localização geográfica estratégica da Unidade evita o deslocamento de pacientes para as capitais, o que usualmente se configura como uma dificuldade para a população que precisa desse tipo de atendimento, especialmente a de baixa renda. "A nova estrutura funcionará também como um hospital geral, oferecendo à população múltiplas especialidades médicas. Com essa reestruturação do COHM, mais pacientes poderão ser atendidos e isso reduzirá o tempo de fila, como por exemplo nos procedimentos cirúrgicos, o que ajudará diretamente na rapidez do tratamento", declara o especialista. O Cento também fará a aquisição de novos equipamentos e terá a ampliação da área de atendimento. Para o gerente do BNB em Mossoró, Luiz Harildo Costa Júnior, financiar o empreendimento tem importância não só econômica, mas também social, uma vez que o investimento visa dotar a região oeste potiguar com equipamento hospitalar especializado no tratamento do câncer. O Centro de Oncologia e Hematologia de Mossoró é referência no interior do Estado no tratamento de câncer e doenças do sangue e medula, possui status de Unidade de Alta Complexidade em Oncologia. A ampliação e modernização da unidade, conveniada ao Sistema Único de Saúde (SUS), beneficiará toda a população da Mesorregião do Oeste Potiguar, que comporta 62 municípios, bem como moradores de municípios vizinhos, dos estados do Ceará e Paraíba. GAZETA DO OESTE ESTOQUE DE SANGUE É INFERIOR À DEMANDA DESSA ÉPOCA DO ANO O estoque de sangue, principalmente dos fatores negativos, está inferior à demanda dessa época do ano, em que são registrados vários acidentes. A informação é da assistente social do Hemocentro, Denise Moraes, que destacou que o restante dos fatores está em número regular, mas para uma época tranquila do ano, não para um veraneio. Segundo Denise, sempre nessa época do ano diminuem as doações, mas aumenta a demanda. "As pessoas viajam e esquecem das doações. E essa é uma época que precisamos muito, pois o veraneio registra muitos acidentes, por isso fazemos esse apelo, que antes de viajar as pessoas passem aqui no hemocentro e doem sangue", afirmou a assistente social. Ela alerta ainda que as pessoas que estiveram com cirurgias eletivas marcadas, principalmente cardíacas, oncológicas e de esterectomia, que programem também os doadores, visto a pouca quantidade de sangue no Hemocentro para abastecer as cirurgias. Denise Moraes explica que o sangue que é doado ao hemocentro passa por exames e depois é destinado para cirurgias em hospitais como o Wilson Rosado, Dix-sept Rosado (cirurgias e hemodiálise), além do Hospital Tarcísio Maia, onde a solicitação é maior nessa época. Além dos hospitais, o Hemocentro de Mossoró atende a todos os municípios circunvizinhos. "Nossa unidade móvel estará nos dias 16, 23 e 30 em Apodi, para receber as doações, pois lá é um município onde há bastante doadores. Já queremos essas doações para o estoque do carnaval, onde a demanda também é grande", destacou. GAZETA DO OESTE MAPEAMENTO É FEITO PARA COMBATER A DENGUE A Gerência Executiva da Saúde está encerrando o ano com um balanço sobre as atividades desenvolvidas para o combate à dengue. Nos dias 29 e 30 de dezembro, a Gerência realizou um encontro com as Assistentes Sociais do município para tratar de questões relacionadas à abordagem e enfrentamento da dengue. Será a primeira reunião por categoria para tratar especificamente das formas de enfrentamento da doença na rede municipal de saúde. Um calendário está sendo montada para a continuidade em 2010. "Essa foi uma forma que a gerência encontrou de fazermos um trabalho em conjunto com a sociedade, através dos representantes das Unidades Básicas de Saúde, e formamos estratégias para serem traçadas, uma espécie de mapeamento das regiões", destacou o coordenador do departamento de dengue da Vigilância Sanitária, Sandro Elias. No mesmo horário, houve também uma blitz educativa de prevenção à dengue. A ação é uma recomendação da Secretaria Municipal da Cidadania que tenta sensibilizar a população sobre a importância de adotar hábitos saudáveis e medidas preventivas que venham a acabar com o risco de surto de dengue em Mossoró. Durante a blitz, profissionais da saúde alertaram a população sobre as medidas preventivas de combate ao mosquito Aedes Aegypti, transmissor da dengue. De acordo com a Gerente de Saúde Jacqueline Amaral, a ação na verdade fecha um ciclo de atividades que vem sendo desenvolvidas continuamente ao longo dos dois últimos anos. "As ações de combate a dengue não param. Já conseguimos avançar em vários aspectos, mas precisamos do envolvimento da população para que a dengue não volte a castigar", destacou Jacqueline detalhando que o Município mantém regularmente a borrifação nos bairros, a distribuição de telas para tonéis, potes com toucas e substituição de depósitos em várias áreas da cidade. O secretário da Cidadania, Francisco Carlos, esclareceu que o fato de Mossoró ter aparecido no Mapa da Dengue, (feito e divulgado pelo Ministério da Saúde), não significa que o município vive um surto da doença. "Existe uma diferença muito grande entre 'risco de surto' e 'está em surto' e Mossoró não está em surto. Apareceu no mapa como cidade com risco de surto, mas nós estamos trabalhando pesado e pedindo o envolvimento da população para evitar que isso aconteça", comentou o secretário acrescentando que a redução do número de casos e a inexistência de óbitos em 2009 comprovam a eficácia das ações. Em 2009, cinco bairros (Barrocas, Santo Antônio, Bom Jesus, Paredões e Belo Horizonte) foram contemplados com a distribuição de telas, potes com toucas e substituição de caixas d'água. Além disso, o Município também distribuiu peixes para depósitos maiores em cisternas em diversos bairros. No inicio de 2009 o Índice de Infestação Predial (IIP) era de 10% e no final do ano esse percentual caiu para 4.2%, uma redução mais de 150%. UNIDADE DE RADIOTERAPIA FARÁ CAMPANHA POR EQUIPAMENTOS A campanha beneficente para a Unidade de Radioterapia da Liga Mossoroense de Combate ao Câncer entra em nova fase. A partir de agora, o objetivo é promover a compra de um acelerador linear e de um sistema de planejamento para que após a conclusão da estrutura física, prevista para abril de 2010, a unidade possa entrar em funcionamento, segundo informou o responsável técnico pela unidade, Geison Moreira Freire. Ele garante que o nível de tratamento aqui será equivalente ao dos grandes centros do Brasil, inclusive centros particulares, sendo que o serviço será oferecido para a população através do Sistema Único de Saúde (SUS). O equipamento objetivado pela equipe custa cerca de R$ 2,2 milhões, e com ele já será possível iniciar as atividades do centro de radioterapia. O maquinário vem dos Estados Unidos, e o objetivo é que a aquisição seja feita em abril, para que em outubro do próximo ano já esteja em funcionamento, tendo em vista que o transporte e instalação dos equipamentos demoram cerca de seis meses. O responsável apela para a população em geral e para o empresariado, que vem contribuindo, para que continuem com as doações, pois, para pagar o aparelho será gasto R$ 70 mil por mês. As doações devem ser feitas através da Conta Corrente 256-9, Caixa Econômica, Agência 0560, Operação 003. Geison Freire, que atua como radioterapeuta no Hospital das Clínicas da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), explica que o sistema de planejamento permite especificar qual a área de tratamento do paciente. Ele acrescenta que os equipamentos permitirão incorporar uma das tecnologias mais recentes no que se refere à radioterapia e funciona a partir de itens modulados de feixe. O responsável técnico explica ainda que o equipamento possibilita que aumente a dose aplicada no tumor, reduzindo os efeitos nos órgãos de risco (órgãos que ficam localizados nas proximidades do tumor) e, consequentemente, melhorando a qualidade de vida do paciente. A meta da equipe é adquirir o primeiro aparelho com o dinheiro das doações e conseguir o segundo através do Ministério da Saúde. De acordo com Geison Freire, com um aparelho a unidade vai conseguir tratar cerca de 100 pacientes por mês, atendendo nos três turnos. Segundo ele, em Mossoró são atendidos cerca de 300 pacientes com câncer da região Oeste e comenta que, aproximadamente, 60% deles necessita de radioterapia. O procedimento tanto possui efeito curativo quanto paliativo, aliviando as dores dos pacientes que possuem tumores cuja cura já foi descartada. Atualmente, o local mais próximo onde o serviço é realizado pelo SUS é São Paulo e, na rede particular, o mesmo serviço pode ser encontrado em Recife. Em Natal, o serviço, através do SUS, ainda está em fase de instalação. Um dos pontos mais importantes é que a Unidade de Radioterapia permitirá atendimento a pacientes de diferentes classes econômicas. O centro conta com uma equipe multi e transdisciplinar para o tratamento de tumores, tendo em vista que cada tumor tem sua especificidade. Além dos pacientes, que serão diretamente beneficiados, já que, segundo Geison Freire, alguns chegam a morrer porque não querem se deslocar para longe, e com a implantação da unidade não será necessário tamanho deslocamento, os familiares também receberão os benefícios, pois muitos acompanham seus parentes e se dedicam inteiramente a eles, sofrendo com os dramas enfrentados. Assessoria de Comunicação do Cremern Telefone: 4006-5343 Contatos: Casciano Vidal: 9990-1473 Ana Carmem: 9911-6570
 
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner