Rede dos Conselhos de Medicina
SERVIDORES DA SAÚDE MUNICIPAL PODEM DECRETAR GREVE HOJE - Leia mais notícias no Clipping Cremern 10/08/2010
DIÁRIO DE NATAL SERVIDORES DA SAÚDE MUNICIPAL PODEM DECRETAR GREVE HOJE Categoria cobra envio de plano de carreira à Câmara e exige a recarga no cartão de passagens de ônibus Os servidores municipais da saúde podem entrar em greve hoje. Eles reivindicam que o Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS) seja encaminhado à Câmara Municipal e que o cartão de passagens de ônibus seja recarregado. A decisão sairá de assembleia às 9h em frente à Câmara. Um dos problemas que incomodam a categoria é que a Prefeitura não pagou a empresa NatalCard. Como consequência, a empresa não recarregou o cartão de passagens dos servidores municipais da saúde e da educação de Natal. De acordo com Augusto Maranhão, diretor de comunicação do Sindicato de Empresas de Transporte Urbano do RN (Seturn), responsável pela empresa, a prefeitura não pagou os meses de junho, julho e agosto. Segundo ele, a Prefeitura entrou em contato com o sindicato nesta segunda-feira e afirmou que pretende pagar o valor referente ao mês de maio ainda nesta semana. Devido a falta de recarga do cartão de passagens, 50% dos cerca de cinco mil servidores municipais da saúde de Natal paralisaram as atividades na última semana. "Cerca de 50% dos servidores estão sem trabalhar porque o Natalcard não foi recarregado. Alguns servidores ainda estão trabalhando, porque sobrou crédito do mês passado ou porque moram perto das unidades", afirma Rubens de Carvalho Araújo, diretor da Secretaria de Agentes de Saúde. Segundo ele, os cartões dos servidores municipais da saúde são recarregados sempre até o primeiro dia útil do mês. Até a manhã de ontem, a recarga não havia sido realizada. De acordo com a diretora estadual da Secretaria de Agentes de Saúde, Nadja Silva o valor das passagens é custeado pela Prefeitura e pelo próprio servidor municipal, que paga apenas 8% do do total. Nadja explica que o valor pago pelos servidores foi descontado do salário, mesmo sem a recarga ter sido realizada no prazo previsto. Segundo ela, o impasse entre a prefeitura e a empresa Natalcard se arrasta há vários meses. "Faz oito dias que a gente está atrás dessa recarga. Na última quinta-feira, fomos à Secretaria Municipal de Planejamento (Sempla) e ninguém deu nenhuma informação. Depois fomos na NatalCard. Eles disseram que no dia 28 de julho foram até a secretaria falar com a pessoa responsável pelo pagamento e não deram nenhuma possibilidade de pagamento. Hoje (ontem) pela manhã tentamos falar com kalazans (Kalazans Bezerra, chefe de Gabinete do Município) mas ele estava em reunião. Vamos voltar agora a tarde para tentar falar com ele. Se até o final da tarde a recarga não tiver sido realizada, a gente vai parar amanhã. A orientação é de não ir trabalhar", relatou Nadja. Segundo o coordenador geral de administração e finanças da SMS, Marcos Guedes, a recarga dos cartões de passagem dos servidores teria sido feita entre a noite de ontem e a manhã de hoje. GRIPE // H1N1 TEM FORTE QUEDA O número de casos confirmados de influenza A H1N1 no Rio Grande do Norte caiu drasticamente, passando de 354 registrados de 19 de abril de 2009 a 2 de janeiro de 2010 para 8 registrados de 2 de janeiro de 2010 a 9 de agosto de 2010. O número de óbitos ocasionados pela Influenza A também caiu no estado, passando de 18 para 2. A Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap) ainda desconhece a causa da queda tão brusca. Para Stela Leal, técnica responsável pelo programa de influenza, da Sesap, a queda pode ser consequência da imunização ou reflexo de uma mudança na estratégia da notificação de casos. "Em 2009, todos os casos de pessoas que chegavam do exterior resfriadas eram considerados suspeitos. Depois, passamos a considerar suspeitos apenas os casos de síndrome respiratório aguda. Em 2010, resolvemos restringir ainda mais, considerando suspeitos apenas os casos de síndrome respiratória aguda que resultaram em internação hospitalar. Ainda não sabemos se a causa da queda foi a imunização dos potiguares ou a mudança na estratégia de notificação", afirmou. De acordo com ela, o estado segue tendência verificada no Brasil. Os números nacionais também foram puxados para baixo. Em 2010, 753 casos de H1N1 foram confirmados, 5.724 foram descartados e 1.238 continuam em investigação. O Nordeste registrou 103 casos confirmados, 343 descartados e 161 em investigação neste ano. A segunda onda da epidemia esperada para ocorrer no primeiro semestre no ano não ocorreu. (AM) cuidados com a gripe a l Sempre que tossir ou espirrar, tape o nariz e a boca com um lenço de papel. A gripe é uma doença infecciosa aguda e a pessoa infectada transmite por meio do ar por tosses ou espirros, com partículas contendo o vírus. O lenço evita que essas patículas contaminem outras pessoas. l Lave as mãos frequentemente com água e sabão. Isso evita que você toque com as mãos em objetos contaminados e se contamine através de alimentos ou simplesmente coçando o nariz. l Se tiver com sintomas de gripe, mantenha uma distância de pelo menos um metro ao falar com as pessoas. Qualquer proximidade é motivo para que o vírus seja transmitido l Se tiver sintomas de gripe fique em casa, não vá trabalhar, nem à escola e evite locais com muitas pessoas. É importante proteger o próximo l Se não tiver com as mãos lavadas, evite mexer nos olhos, no nariz e na boca. E nunca beba no copo de outra pessoa. O vírus pode ser transmitido através de objetos, talheres, copos. l Jogue no lixo todo os lenços de papel que utilizar para limpar suas secreções. O vírus contido no papel pode contaminar outras pessoas se ficar disperso no ambiente. Fonte: Diario de Biologia MORTALIDADE NEONATAL PREOCUPA AUTORIDADES Redução do índice de óbitos entre crianças com até 28 dias é uma das principais metas da Sesap A mortalidade infantil tem caído substancialmente no Rio Grande do Norte ao longo dos anos, mas a mortalidade neonatal tem persistido. Segundo dados da Secretaria de Saúde do Estado - Sesap, no período de 2000 a 2008 houve redução na taxa de mortalidade infantil de 47/1000 para 28/1000 nascidos vivos. Isso quer dizer que de 1 mil crianças nascidas vivas, 28 estão indo a óbito antes de completar um ano de idade. Já a mortalidade neonatal, que acontece no período de até 28 dias de nascimento, tem se mantido entre 10 e 12 mortes nos últimos anos. Essa realidade tem preocupado a Sesap que faz reunião hoje, a partir das 8h, com o "Comitê Estadual de Mortalidade Materna e Fórum Perinatal", no auditório do Centro de Formação de Pessoal para os Serviços de Saúde (Cefope). Segundo a coordenadora de promoção à Saúde da Sesap, Celeste Rocha, o objetivo é mobilizar os profissionais da saúde e a sociedade civil na promoção de políticas e ações integradas que promovama melhoria da saúde materna e infantil. "Dessa forma, serão discutidas estratégias que melhorem o atendimento nas unidades básicas de saúde", disse ela. A reunião faz parte do Pacto Nacional pela Redução da Mortalidade Materna e Neonatal, que é estratégia prioritária adotada pelo governo federal e pelo governo do estado. Participarão técnicos da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) e Antonieta Marinho, representante do Ministério da Saúde, que falará sobre o resultado das investigações dos óbitos maternos e neonatais nos municípios prioritários - Natal, Parnamirim, São Gonçalo do Amarante, Ceará Mirim, Macaíba, Mossoró, Caicó, Pau dos Ferros e Currais Novos. Pré-natal Para Celeste Rocha, se o estado comemora os índices de redução à mortalidade infantil é necessário não se acomodar com os atuais índices de mortalidade neonatal que, apesar de não ter aumentado também não têm diminuído nos últimos anos. "E o mais importante é que a maioria dessas mortes acontece nos primeiros sete dias de vida, o que mostra quesão decorrentes de problemas do parto e, principalmente, do pré-natal", disse Celeste. Intervir na assistência pré-natal e no parto e ainda reforçar a prática do aleitamento materno e os cuidados na primeira semana de pós-parto, que é o período que muitas mães e crianças estão suscetíveis a infecções, são importantes medidas a serem tomadas pelo sistema público de saúde", disse Celeste Rocha. Além disso, acrescenta ela, é necessário uma atenção mais qualificada no período pré-natal, justamete nos Programas de Saúde da Família, quando se podem identificar prematuramente muitos problemas e riscos tanto para a mãe quanto para o bebê, tendo em vista que a maioria das doenças nessa fase são preveníveis. INCENTIVO AO ALEITAMENTO É PRIORIDADE Já com relação à redução da mortalidade infantil é fundamental manter a política de orientação ao aleitamento materno exclusivo até os seis primeiros meses de vida da criança. Uma siginificativa parcela dessa redução deve-se às seguidas campanhas de aleitamento materno exclusivo que a cada ano vem aumentando no Rio Grande do Norte. Segundo a nutricionista Zoraia Bandeira, coordenadora técnica de alimentação e nutrição da Secretaria de Saúde Pública do Estado, a curva de adesão ao aleitamento exclusivo (crianças que somente mamam até os seis primeiros meses de vida) subiu de 68% registrados em 2008 para 76% em 2009. Os números de 2010 devem ser calculados até o final deste mês. O aleitamento é um dos principais componentes para a diminuição da mortalidade infantil e mortalidade materna. O leite materno possui todos os nutrientes necessários ao crescimento, fazendo um bem incalculável tanto à mãe quanto à criança. "O aleitamento é um componente que ajuda na recuperação da parturiente devido a ação dos hormôniosnessa fase, contribuindo para que o útero volte ao tamanho normal mais rápido e a diminuição do sangramento no pós-parto", explicou Zoraia. Entre as vantagens de amamentar ela ainda relaciona o aumento do vínculo afetivo entre mãe e filho, o crescimento saudável da criança com o fortalecimento do sistema imunológico, além do favorecimento à questão social porque reduz gastos com alimentação. Estratégia Lançada pelo Presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2004, a política para o setor tem como fundamento a ampla mobilização de gestores e da sociedade civil na promoção de políticas e ações integradas que promovam a melhoria da saúde materna e infantil. Algumas de suas metas são: garantir o acolhimento das mulheres e dos recém-nascidos, a atenção humanizada em situação de abortamento e atendimento do aborto previsto em lei, o direito ao acompanhante no pré-parto e pós parto, melhorar serviço de pré natal e ampliar ações de planejamento familiar. Números Mortalidade infantil (Até o 1º ano de nascimento) 2000 A 2008 - Redução de 47/1000 para 28/1000 nascido vivos Mortalidade neonatal (Até o 28º dia de nascimento) 2000 a 2008 - entre 10 e 12 para cada 1000 nascidos vivos Crescimento do aleitamento 2008 - 68% 2009 - 76% *Dados das Secretaria de Saúde Pública do Estado (Sesap) TRIBUNA DO NORTE SAÚDE... Domingo de caos e descaso na capital dos magos-desamparados. Os serviços de saúde da prefeitura não funcionaram – Hospital das Rocas, Cidade Satélite, Cidade da Esperança, Unidade Mista de Felipe Camarão, Mãe Luíza e Maternidade Leide Morais. Resultado: sobrecarregou os estaduais Walfredo Gurgel e Santa Catarina, e a UPA, que não atenderam a demanda, elementar. »...Desagasalhada Um mulher grávida, 37 anos, parto normal, teve que ser levada pelo SAMU ao Santa Catarina (que estva com o raio-x quebrado). O Centro de Cidade Satélite fechado levou um homem de 55 anos, infartado, ao WG. Na demora, teve também um AVC. Mesmo assim, ficou no corredor à espera de uma vaga na UTI. 13 pessoas aguardavam leito na UTI do WG. No desespero, enfermeiros recebiam pacientes, ligavam para o SAMU e pediam aos médicos prescrição por telefone. »Luz-túnel Talvez pelo caos-descaso de domingo, a Secretaria Municipal de Saúde assinou ontem contrato com a Cooperativa dos Médicos, para garantir a escala médica completa no Hospital dos Pescadores. »Ex da vez Por falar na Saúde, a ex-secretária Ana Tânia gravou depoimento para o programa eleitoral de José Serra - convidada pela credibilidade que alcançou a nível nacional como sanitarista e defensora de uma saúde pública de qualidade. Discorreu sobre reforma sanitária brasileira, criada há mais de 20 anos, mas ainda não consolidada; programa Estratégia da Saúde da Família, etc. ANVISA SUSPENDE IMPORTAÇÃO DE MEDICAMENTO PARA EVITAR NÁUSEA E VÔMITO Brasília - A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) suspendeu hoje (9) a importação do remédio Onicit, indicado para evitar náusea e vômito durante o tratamento de quimioterapia contra o câncer. De acordo com a Anvisa, foram encontradas irregularidades durante inspeção feita em abril na fábrica OSO Biopharmaceuticals Manufacturing, nos Estados Unidos, onde o medicamento é produzido. A importação para o mercado brasileiro é feita pela empresa Schering-Plough, de São Paulo. A agência também decretou a suspensão da venda e distribuição do lote 0634/09 do fitoterápico Valeriana Officinalis (comprimido usado para problemas com insônia) – fabricado pelo laboratório Pharmascience, com sede em Minas Gerais. O lote - fabricado em maio de 2009 e com validade até maio de 2011 - apresentou resultado considerado insuficiente nos testes de qualidade. A empresa terá de recolher o produto do mercado. A Anvisa recomenda que os pacientes interrompam o uso imediato dos produtos com lotes suspensos e procurem um médico. Outra medida suspende a venda e fabricação de qualquer produto da empresa Verde Vida Ervas, também em Minas, por falta de registro na Anvisa. Um dos produtos da empresa – chamado Dorfim – estava sendo vendido ilegalmente em Santa Catarina, conforme a agência. As resoluções da Anvisa foram publicadas no Diário Oficial da União de hoje (9). Com informações da Agência Brasil. NOVOS MÉDICOS COMPLETAM ESCALA NO HOSPITAL DOS PESCADORES A Secretaria Municipal de Saúde assinou nesta segunda-feira (9) contrato com a Cooperativa dos Médicos (Coopemed) para garantir a escala médica completa no Hospital dos Pescadores. Os plantões agora contam com três profissionais por escala. “Seguimos a recomendação do Conselho Regional de Medicina e já está funcionando a nova escala com três profissionais por plantão, garantindo médicos suficientes para atender a demanda da unidade e garantir o atendimento de qualidade aos nossos usuários. O que há anos não acontecia antes, pois no máximo se fechavam os plantões com dois médicos”, destacou o secretário Thiago Trindade, que esteve no Hospital dos Pescadores para acompanhar o primeiro dia dos novos plantões. Para uma segunda-feira, dia de feira das Rocas, o que leva a uma maior demanda de usuários que aproveitam o dia de comércio para fazer consultas médicos, além das urgências, a nova escala de plantão dos médicos no Hospital dos Pescadores surpreendeu. Segundo o diretor Josenildo Barbosa, todos os usuários que procuraram o Hopital hoje foram atendidos com pouco tempo de espera, mesmo para os casos ambulatoriais. Até mesmo os que chegaram procurando consultas mais simples receberam atendimento. "O dia hoje foi perfeito”, confirmou Josenildo. A solução para o problema da escala médica do Hospital dos Pescadores é uma das medidas que a Prefeitura do Natal está anunciando para os próximos dias na área da saúde. A SMS também vai iniciar esta semana um novo processo seletivo para atrair profissionais e preencher as lacunas da rede básica e do Programa Saúde da Família. “Teremos uma série de ações, como reestruturação da rede, redimensionamento e contratações de médicos”, garante o secretário. O processo seletivo de novos médicos deve ser iniciado ainda esta semana para 43 vagas de médicos do Programa Saúde da Família. O salário ainda não foi definido, mas, de acordo com a assessoria de impresa da SMS, será diferenciado e servirá como um atrativo a mais para a categoria. Com informações da SMS. O MOSSOROENSE TAXA DE MORTALIDADE INFANTIL REDUZ NO RIO GRANDE DO NORTE A mortalidade infantil tem caído substancialmente no Rio Grande do Norte ao longo dos anos. Segundo dados da Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap), no período de 2000 a 2008 houve redução na taxa de mortalidade infantil de 47/1000 para 28/1000 nascidos vivos. Isso quer dizer que de mil crianças nascidas vivas, 28 estão morrendo antes de completar um ano de idade. O assunto será debatido a partir das 8h, com o "Comitê Estadual de Mortalidade Materna e o Fórum Perinatal", no auditório do Centro de Formação de Pessoal para os Serviços de Saúde (Cefope). Segundo a coordenadora de Promoção à Saúde da Sesap, Celeste Rocha, o objetivo é mobilizar os profissionais da saúde e a sociedade civil na promoção de políticas e ações integradas que promovam a melhoria da saúde materna e infantil. "Dessa forma, serão discutidas estratégias que melhorem o atendimento nas unidades básicas de saúde", disse ela. A reunião faz parte do Pacto Nacional pela Redução da Mortalidade Materna e Neonatal que é estratégia prioritária adotada pelo Governo Federal e Governo do Estado. Participam técnicos da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Natal e Antonieta Marinho, representante do Ministério da Saúde, que vai abordar o resultado das investigações dos óbitos maternos e neonatais nos municípios prioritários - Natal, Parnamirim, São Gonçalo do Amarante, Ceará-Mirim, Macaíba, Mossoró, Caicó, Pau dos Ferros e Currais Novos. Estado reforçará ações do período pré-natal Para a coordenadora de Promoção à Saúde da Sesap, Celeste Rocha, se o Estado comemora os índices de redução à mortalidade infantil é necessário não se acomodar com os atuais índices de mortalidade neonatal que, apesar de não ter aumentado também não têm diminuído nos últimos anos. "E o mais importante é que a maioria dessas mortes acontece nos primeiros sete dias de vida, o que mostra que são decorrentes de problemas do parto e, principalmente, do pré-natal", disse Celeste. Intervir na assistência pré-natal e no parto e ainda reforçar a prática do aleitamento materno e os cuidados na primeira semana de pós-parto, que é o período que muitas mães e crianças estão suscetíveis a infecções, são importantes medidas a serem tomadas pelo sistema público de saúde", disse. Acrescenta que é necessário uma atenção mais qualificada no período pré-natal, justamente nos Programas de Saúde da Família (PSF), quando se pode identificar prematuramente muitos problemas e riscos tanto para a mãe quanto para o bebê, tendo em vista que a maioria das doenças nessa fase são preveníveis. CORREIO DA TARDE SERVIDORES DE NATAL ESTÃO SEM TRANSPORTE A recarga do cartão que geralmente é efetuada no primeiro dia útil do mês, ainda não ocorreu. A prefeitura do Natal realizou na manhã de hoje (9) uma reunião com a presença do secretario de Saúde, Roberto Lima e do Chefe de Gabinete, Kalazans Bezerra para tentar solucionar o problema. A direção do Sindsaúde, já esteve várias vezes nas secretarias de saúde, planejamento e gabinete civil e até mesmo no Seturn tentando resolver o impasse. Nas conversas extra-oficiais, o que se ouve é que não ocorre o repasse do valor dos vales desde janeiro deste ano e por isso o Seturn passou a não repassar o ISS devido à prefeitura. "Na quinta-feira passada fomos ao Natalcard para escutar as duas versões da história e fomos informados que a recarga não foi efetuada porque existe um debito que já vem acumulando e eles querem pelo menos que as negociações comecem para regularizar os procedimentos de recarga normalmente", esclareceu Nadja Silva, diretora do sindicato. A recarga do cartão de passagens dos funcionários até a manhã de hoje (9) não tinha sido creditada, os servidores estão esperando o resultado da reunião realizada na prefeitura. Caso até amanhã (10) a recarga não tenha sido efetuada a recomendação do sindicato é que os funcionários fiquem em casa, já que estão se deslocando para o local de trabalho com recursos próprios há uma semana. FALTA DE PESSOAL GERA TRANSTORNOS NO HOSPITAL INFANTIL SANDRA CELESTE Pacientes que vão ao pronto-socorro do Hospital Infantil Sandra Celeste, em busca de atendimento para seus filhos, chegam a esperar até quatro horas. Durante toda semana passada, até mesmo casos de urgência foram obrigados a ficar na fila, porque apenas dois médicos estavam no local. A recepcionista Maria de Lourdes da Silva foi uma das prejudicadas pelo problema. No dia 3 de agosto, Lourdes levou seu filho ao hospital e ficou das 18h às 22h esperando atendimento. "O pronto socorro é muito cheio, são apenas dois médicos atendendo. Esperei quatro horas para que meu filho fosse examinado e só consegui porque reclamei com a enfermeira". De acordo com a recepcionista, além da demora para receber o atendimento, a criança depois de examinada ainda precisa aguardar até ser liberada. "Uma das mães já tinha conseguido atendimento para o filho, mas estava há quase uma hora esperando mostrar o resultado para que o médico liberasse a criança. O local é ermo e sem segurança, eu, pelo menos, estava com o meu marido, mas várias mulheres estavam sozinhas e ainda ficaram lá depois que sai. Imagina o perigo que correm por causa dessa espera", afirmou. Maria de Lourdes lembrou que uma das mães desistiu de esperar e preferiu ir embora, dizendo que se fosse para o filho morrer numa fila de hospital, preferia que fosse em casa. A falta de informação é outro problema. Lourdes não foi informada que deveria entregar a ficha na recepção, fato que atrasou em uma hora o atendimento. "Os recepcionistas são mal educados e argumentam que 'hospital público é assim mesmo, tem que esperar”. Acho uma falta de respeito com as pessoas que já estão sensibilizadas com suas crianças doentes. Deveria haver pelo menos um profissional para cuidar dos casos mais graves, enquanto os outros tratavam daqueles que podem esperar", afirmou. Segundo Telma Lúcia de Araújo, diretora do pronto socorro, os poucos médicos cuidam das enfermarias e do pronto socorro. São realizados, por dia, cerca de 200 atendimentos e, infelizmente, essa espera tem que acontecer. “Já enviamos uma requerimento à SMS, solicitando mais um médico para o nosso quadro, esclarecendo a nossa situação, mas até agora nada foi feito e temos que trabalhar nessas condições", disse. Assessoria de Comunicação do Cremern Telefone: 4006-5343 Contatos: Casciano Vidal: 9990-1473 Ana Carmem: 9909-4100
 
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner