Rede dos Conselhos de Medicina
ESTADO ANUNCIA AUMENTO NA QUANTIDADE DE CIRURGIAS - Leia mais notícias no Clipping Cremern 13/08/2010
O MOSSOROENSE ESTADO ANUNCIA AUMENTO NA QUANTIDADE DE CIRURGIAS A Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) vai aumentar a quantidade de cirurgias de catarata, próstata e varizes. A medida foi tomada para suprir a demanda reprimida. Desta forma, a fila de espera irá diminuir. Ao todo serão realizadas 2 mil e 600 cirurgias a mais, que serão feitas em todo o Rio Grande do Norte. O investimento é de R$ 283 mil por mês durante um ano. Para facilitar o trabalho, o Estado foi dividido em oito regiões, são elas: Açu, Mato Grande e Salineira, Trairi e Potengi, Seridó, Oeste, Alto Oeste, Metropolitana Natal e ainda o Litoral Agreste. "Dividimos o Estado em regiões, e as cirurgias serão realizadas nos municípios que tiverem estrutura", explicou José Renato Machado, coordenador de Planejamento e Controle de Serviços de Saúde da Sesap. Ainda segundo José Renato, a verba investida irá direto para os municípios e cada um pagará os hospitais que vão prestar o serviço (cirurgias). Serão feitas 2 mil cirurgias de catarata, 400 de varizes e 200 de próstata, escolhidas por serem as de maior demanda no Estado. "Quando as pessoas passam mais tempo na fila de espera, seus casos deixam de ser eletivos para se tornarem urgentes", disse o coordenador ao explicar que os três tipos eram os de maior dificuldade de acesso. Das 2 mil cirurgias de catarata já foram realizadas 40. José Renato acredita que a partir da próxima semana as outras cirurgias também serão realizadas. O processo depende da liberação por parte dos municípios. GAZETA DO OESTE CAPTAÇÃO DE CÓRNEAS É REALIZADA NO HRTM A Comissão Intrahospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante (CIHDOTT) realizou, ontem pela manhã, a captação de córneas de uma paciente com morte encefálica. Os órgãos foram levados para Natal, conforme informou a presidente da comissão, dra. Elizabeth López Carrilo. Ela informa que o processo de captação foi feito pela oftalmologista Keli Regina Duarte Holanda Rego, que tem captado as córneas voluntariamente. Na tarde de ontem, as córneas já haviam chegado a Natal, onde são encaminhados os demais procedimentos necessários ao processo de doação, que deve beneficiar duas pessoas. A presidente da CIHDOTT explica que todos os órgãos foram doados. No entanto, lamentavelmente, a paciente não resistiu o suficiente e apenas as córneas puderam ser captadas. A médica comenta o comportamento da família da doadora, que foi extremamente solidária e, em um momento de sofrimento, concordou com a doação. Apesar da perda, a família acompanhou todo o trabalho da equipe. Dra. Elizabeth López Carrilo explica que a abordagem à família é feita após o diagnóstico da morte encefálica e a entrevista aos familiares ocorre após a comprovação desse diagnóstico. Ela explica que a confirmação é realizada através de uma sucessão de procedimentos. Em primeiro lugar, a morte encefálica é detectada pelo uteista; seis horas após esse diagnóstico um médico neurologista realiza uma avaliação rigorosa para confirmar a morte encefálica. Os dois médicos devem preencher um papel, que tem que ser protocolado e registrado. O terceiro passo para o diagnóstico da morte encefálica consiste, segundo a médica, no registro gráfico da atividade do cérebro, que é feito através do exame de eletroencefalografia ou do ecodoppler transcraniano. A presidente da CIHDOTT acrescenta que tudo é feito dentro da legalidade e a família tem a liberdade de chamar um médico de sua confiança e ter acesso ao prontuário do paciente e possível doador. TRIBUNA DO NORTE PREFEITA ASSINA "OS" E PROMOTORA CRITICA A Prefeitura de Natal assinou a ordem de serviço para as obras da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Cidade da Esperança e reagiu às criticas que cercam a utilização da área, onde funcionava uma praça de esportes e lazer. “Infelizmente”, disse a prefeita Micarla de Sousa sem apontar individualmente os responsáveis, “essa campanha é decorrente do ano eleitoral e de pessoas que ainda não se conformaram com a derrota eleitoral em 2008. Enquanto eu estiver à frente da Prefeitura ninguém vai intimidar a não realizar essas obras”. Para a promotora titular da 23ª Promotoria da Capital, Rozana Galvão, a prefeitura vem agindo de forma “unilateral” ao iniciar a construção da Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) da Cidade da Esperança, Zona Oeste de Natal, antes de um entendimento com a comunidade sobre a instalação de uma nova área de esportes e lazer. A promotora afirma que a administração municipal ainda não respondeu à recomendação, enviada por ela há cerca de um mês, de não efetivar as obras da UPA enquanto não houvesse um acordo sobre a reconstrução das áreas de lazer que precisaram ser destruídas. “O prazo para a resposta era de 10 dias e já se esgotou. Faltou bom senso à Prefeitura, que deveria ter sido mais transparente e está agindo de forma unilateral nesse caso. A gestão não pode impor suas conclusões sem dar atenção à comunidade”, afirma a promotora, garantindo que vai cobrar o envio da resposta. Dentro do próprio Ministério Público, há quem tenha uma outra interpretação em relação ao caso. Antes mesmo de a 23ª Promotoria entrar em cena, a promotora de Saúde, Kalina Filgueira, havia cobrado justamente a efetivação da UPA em Cidade da Esperança. “Como eu não tinha conhecimento desse fato, já estou em contato com Kalina para chegarmos a um entendimento. Obviamente, tanto a UPA quanto a área de lazer são importantes. Precisamos ver o que é prioritário”, destaca. A ideia é que as duas representantes do MPRN se reúnam com a Prefeitura para encontrar uma solução que satisfaça a todos. A dificuldade é conciliar as agendas, já que Rozana Galvão também está atuando na área eleitoral do Ministério Público. “Se a UPA tem que ser naquele local, tudo bem. Mas a área de lazer deve ser feita no mesmo lugar, ou perto dele. Em toda decisão que envolva os interesses da população, deve-se usar e abusar do bom senso”, opina Galvão. A representante do Comitê em Defesa do Complexo de Lazer de Cidade da Esperança, Amélia Freire, explica que uma pista de skate, uma quadra e uma pista de bicicross foram já demolidas para possibilitar a obra. “Queremos que esses equipamentos sejam reconstruídos no próprio bairro. A Prefeitura apresentou cinco propostas de locais, mas quatro delas são inviáveis. Sugerimos seis outros lugares para fazer a UPA, inclusive o antigo leprosário, que está abandonado, mas não fomos ouvidos”, queixa-se. Segundo Amélia, a comunidade não é contra a chegada da Unidade de Pronto-Atendimento, mas não aceita a destruição dos espaços de lazer. “Discordamos também da forma arbitrária pela qual a Prefeitura está tratando a questão”, critica Freire. Obras da unidade estão em fase de terraplenagem As obras da futura Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) da Cidade da Esperança já estão em andamento, pois já houve a terraplenagem do terreno em frente ao Clube Intermunicipal. Porém, a ordem de serviço para a sua construção foi assinada, ontem à tarde, pela prefeita Micarla de Sousa (PV), que se queixou, publicamente, da campanha feita contra a realização da obra naquele conjunto residencial da Zona Leste de Natal. A prefeita confirmou que o modelo de gestão da nova UPA, a segunda a ser construída em Natal, seguirá o mesmo da UPA de Pajuçara, na Zona Norte, compartilhada. Mas, ao invés de ser feito um contrato emergencial, dessa vez será selecionada uma Organização Social de Saúde (OSS), dentre algumas que já estão demonstrando interesse em participar do processo de escola do novo parceiro do município. Segundo a prefeita, a UPA da Cidade da Esperança terá R$ 2,5 milhões de investimentos do próprio município, enquanto os outros R$ 2 milhões serão recursos federais. A UPA da Cidade da Esperança será do tipo 3 e contará com sete plantonistas, dos quais cinco clínicos e dois pediatras que farão o atendimento de urgência por 24 horas. A capacidade é para atender 700 pessoas por dia, duzentos a mais que a UPA de Pajuçara, que é do tipo 2, e conta com cinco médicos de plantão diariamente. O terreno onde funcionará a nova UPA possui 3.255m² e está situado na avenida Paraíba. A obra será realizada ao lado do ginásio de esportes Antônio Alves Correia, onde funcionava uma pista de skate e bicicross. Os equipamentos serão reconstruídos em uma nova área, a ser definida em conjunto pela Prefeitura e a comunidade, sem qualquer perda para os esportistas do bairro. A relocação das pistas foi previamente acordada a prefeitura, representantes do Conselho Comunitário da Cidade da Esperança e os praticantes de bicicross. O secretário municipal de Saúde, Thiago Trindade, diz que o imbróglio sobre a construção de uma nova pista de skate e bicicross está praticamento solucionado, porque existem seis opções de área para abrigar os equipamentos esportivos. Pesquisa aponta aprovação de 98,8% Uma pesquisa interna feita pelo Instituto Pernambucano de Assistência e Saúde (IPAS), que administra a Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) no conjunto Pajuçara, Zona Norte, aponta uma aprovação 98,8% dos usuários. O secretário municipal de Saúde, Thiago Trindade, disse que essa pesquisa já estava prevista dentro do contrato emergencial firmado com o IPAS, que ouviu 400 pacientes desde a inauguração da UPA em 9 de junho. O “tempo de espera” por atendimento foi considerado “bom” por 96,25% dos usuários. O índice de satisfação chegou a 99% com relação aos serviços de enfermagem e a 99,5% quando de se trata de serviço administrativos. Quanto ao aspecto da “educação e respeito”, a pesquisa do IPAS mostra que 395 dos entrevistados consideram positivo o tratamento dos médicos, enquanto 399 o dos enfermeiros e todos os 400, no que diz respeito aos funcionários administrativos.Um total de 394 pacientes aprovaram o interesse dos médicos “em ouvir suas queixas” e outros seis avaliaram como regular. Mesmos números foram obtidos na pergunta sobre o silêncio nas salas de atendimento. Com relação às explicações dos médicos quanto ao tipo de doença, 97% aprovaram e só 0,25% desaprovaram. Outro interesse da pesquisa era limpeza e conforto da recepção, banheiros, corredores, sala de espera e consultórios”. Entre as opções “bom”, “regular” e “fraco”, apenas um entrevistado considerou regular, enquanto todos os demais consideram “bom”. Já a sensação de segurança em relação aos atendimentos foi considerada boa por 99,5%. Quanto a classificação de risco, para o atendimento de urgência ou emergência, 97.5% dos pacientes avaliaram positivamente o sistema e só 2,25% consideraram regular e 0,25% fraco. GAZETA DO OESTE PACIENTES AGUARDAM POR LEITO NO CORREDOR DO TARCÍSIO MAIA Na tarde de ontem, 12 de agosto, pacientes aguardavam uma vaga para a ocupação de leitos no Hospital Regional Tarcísio Maia (HRTM). Sentados ou deitados em macas, os pacientes aguardavam nos corredores do referido hospital. Miriam Pereira estava acompanhando sua mãe, uma senhora de 65 anos, que procurou o hospital em decorrência de uma crise de vesícula. Miriam Pereira conta que chegou ao hospital às 15h e após às 17h a espera continuava. Ela explica que foi a um médico particular e o profissional deu o diagnóstico. Como o referido médico só realiza cirurgia pelo setor privado e ela não está em condições de pagar, o médico indicou a internação. Ela diz ainda que, no Tarcísio Maia, queriam liberar a sua mãe, mas ela se recusou. Miriam acrescenta que, por falta de leito, sua mãe teve que aguardar uma vaga em uma maca, no corredor do hospital. Desde a quarta-feira, por volta das 18h30, Maria Dalva, 52 anos, de Assu, também esperava no corredor por uma vaga. Sentada em uma cadeira de rodas, por não suportar a dor que sentia quando deitava na maca, ela esperava que um dos leitos vagasse. De acordo com Manoela Matias Lemos, sua mãe estava com a bacia e o fêmur quebrados. Segundo o diretor do Hospital Regional Tarcísio Maia, Marcelo Duarte, a questão não depende da administração do hospital. Para o diretor, o número de leitos existentes no Tarcísio Maia é suficiente para o cumprimento da função do hospital. Ele afirma que o problema é decorrente de dois fatores. Em primeiro lugar, o fechamento de dois hospitais na cidade e, em segundo, a ocupação dos leitos por pacientes que dependem de cirurgias eletivas, como é o caso de acidentes de moto que ocasionam fraturas fechadas, as quais são de responsabilidade do poder público municipal. "Isso está dificultando muito o nosso trabalho", diz ele, acrescentando que se trata de pacientes que estão internados, mas já foram liberados da obrigação do Tarcísio Maia, que é um hospital de urgência e emergência. De acordo com o diretor, muitas vezes o paciente tem alta, mas a própria família não quer ir embora e fica aguardando a medida do município. UPA DEVERÁ FICAR PRONTA NO FINAL DO ANO As obras da estrutura física da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Belo Horizonte devem ser concluídas até o final de dezembro deste ano. A previsão foi repassada por Kátia Pinto, secretária de Desenvolvimento Territorial e Meio Ambiente (SEDETEMA). Segundo a secretária, inicialmente a previsão de execução da obra que foi iniciada no final de 2008 é de 18 meses. "As obras estão na parte de revestimento e instalação. O revestimento interno foi todo feito", disse. Kátia explica que após a conclusão da parte física a Gerência de Saúde irá comprar os equipamentos, a mobília e o definir o corpo de médicos e profissionais que irão trabalhar na unidade. "Acredito que no final do próximo semestre a UPA do Belo Horizonte seja inaugurada", estimou. A UPA que representa investimento de mais de R$ 3 milhões e representa área construída de 1.400 metros quadrados, em um terreno de cinco mil metros quadrados. Ela está localizada na Rua Souza Leão, bairro Belo Horizonte. A unidade irá atender a pacientes externos em situação de sofrimento, sem risco de vida (urgência) de baixa e média complexidade. Nela serão feitas triagem para os atendimentos e higienização do paciente; prestada assistência social ao paciente e/ou acompanhante; realizados atendimentos e procedimentos de urgência; e prestado apoio diagnóstico e terapêutico por 24 horas. Entre os espaços, a estrutura física contará com: área de recepção de pacientes; sala de preparo de pacientes (consulta de enfermagem); dois consultórios para clínica geral; consultório de pediatria; sala de aplicação de medicamentos; sala para eletrocardiograma - ECG; sala pra estabilização de pacientes; sala de pequena cirurgia; unidade de radiologia; posto de enfermagem; farmácia; sala para coleta de sangue; setor de observação de pacientes; salas de inalação; setor de material esterilizado e necrotério. JORNAL DE FATO MUTIRÃO CONTRA HEPATITE E POLIOMIELITE O município se prepara para a segunda dose da campanha de vacinação contra a poliomielite (paralisia infantil), que acontece neste sábado, 14, em todas as Unidades Básicas de Saúde (UBSs), que permanecerão abertas durante o dia para receber crianças com menos de cinco anos, incluindo aquelas que não tomaram a primeira dose. "Essa vacinação é importantíssima e os pais devem levar seus filhos menores de cinco anos para tomar as gotinhas, mesmo que a criança não tenha tomado a primeira dose", reforça Jacqueline Amaral, gerente de Saúde do Município, acrescentando a necessidade de levar o cartão de vacinação para que seja feito o registro. A meta do Município é que 19.400 crianças sejam imunizadas. A estimativa corresponde a 95% das crianças da cidade, meta estipulada pelo Ministério da Saúde, incluindo nesse montante as crianças que já receberam a primeira dose e aquelas que estão recebendo a segundo agora. Além de vacinar crianças, também serão imunizadas as crianças e jovens contra hepatite B. Em Mossoró, a meta é que 24 mil pessoas com menos de 20 anos recebam a dose. "Vamos aproveitar a mobilização, onde as Unidades de Saúde estarão abertas no sábado para fazer as duas campanhas juntas, já que a população será convidada a comparecer aos postos para o reforço da vacina contra pólio", disse Norma Senna, coordenadora de vacinação do Município. Segundo dados divulgados pelo Ministério da Saúde, a poliomielite já está erradicada no país, porém é necessário a vacina para eliminar a possibilidade de um novo caso. Já, quanto à hepatite B, de 1999 a 2009, 96.000 pessoas contraíram a doença e 5.079 morreram. Em Mossoró, o número de contaminação desse tipo é pequeno, mas nem por isso a ação de vacinação é dispensável. Em 2009, foram registrados dois casos de hepatite B e neste ano apenas um caso. Entre as hepatites, o maior número de casos é do tipo A, com 46 casos em 2009 e 14 neste ano. A vacina é uma das principais medidas de prevenção e, segundo o Ministério da Saúde, após tomar as três doses, mais de 90% dos adultos jovens e 95% das crianças e adolescentes ficam imunizados contra a hepatite B. Em Mossoró, devem ser vacinadas todas as pessoas com menos de 20 anos. No ano que vem, de acordo com o Ministério da Saúde, a imunização será oferecida também para a faixa de 20 a 24 anos; e em 2012, para a faixa entre 25 e 29. CORREIO DA TARDE RN PREPARA PLANO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS Na próxima terça-feira (17) as Secretarias Estaduais de Saúde, Educação, Segurança e Assistência Social estarão unidas na elaboração do Plano Estadual de Enfrentamento ao Crack e outras Drogas. O evento acontece das 8h30 às 17h no Centro de Formação de Pessoal para os Serviços de Saúde. Junto com diversos outros órgãos da sociedade civil as quatro secretarias pretendem promover uma oficina, dividida em quatro eixos principais: prevenção, tratamento, repressão e ressocialização, que irão fornecer as bases para a construção do Plano Estadual. A Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) é responsável pela logística e coordenação do evento, que contará ainda com a presença de outras nove secretarias; nove conselhos e diversas instituições civis, entre elas, a Organização dos Advogados do Brasil (OAB); ONG's ligadas ao tema, entidades religiosas, Alcoólicos Anônimos e outros grupos de apoio a dependentes químicos. A programação terá início com a divulgação de dados epidemiológicos e sociais sobre os usuários de drogas no estado, em seguida haverá uma exposição sobre as principais ações do Plano Nacional de Enfrentamento ao Crack e num terceiro momento terá início a oficina que irá discutir os problemas e estabelecer soluções a curto, médio e longo prazo, definindo os responsáveis pelas ações e estimando os custos. LEONARDO RECEBE APOIO DE MÉDICOS E REAFIRMA CONFIANÇA NA SUA REELEIÇÃO Um grupo de médicos de Natal, ligado ao deputado estadual e hoje suplente de senador Paulo Dawin (PV), decidiu apoiar o projeto de reeleição do deputado estadual Leonardo Nogueira (DEM). O anúncio da adesão dos médicos à sua candidatura foi pelo parlamentar durante caminhada nos Pintos, quarta-feira (11) à noite. "Cada vez mais me convenço da nossa vitória. Pela receptividade ao meu nome nas ruas de Mossoró e pelos apoios que venho recebendo em outras Cidades, como em Natal, onde um grupo de médicos, que nas eleições passadas apoiaram o deputado Paulo Dawin, decidiu que este ano está com Leonardo", disse ele. Na caminhada dos Pintos, Leonardo Nogueira reafirmou a importância da eleição de Rosalba Ciarlini para o Governo do Estado. Ele lembrou que, como deputado de oposição, viu os seus projetos engavetados pelo governo estadual. "Com Rosalba no governo será diferente, pois ela tem compromissos com Mossoró", frisou. Leonardo ressaltou ainda que Rosalba vai precisar uma base aliada forte na Assembleia Legislativa para governador. "Se Rosalba não tiver um deputado como Leonardo, ela vai ter dificuldades para administrar o Estado", alertou Leonardo, afirmando que já defende Rosalba no Parlamento Estadual mesmo antes de ela ser governadora. "Durante esses três anos e meio que estou na Assembleia, não tenho feito outra coisa se não defender o nome de Rosalba, mostrando o trabalho dela como prefeita de Mossoró, em três mandatos, e projetando o seu nome para ocupar novos cargos na política do Estado, notadamente o governo do RN", explicou Leonardo. O vereador Claudionor dos Santos (PDT) caminhou com Leonardo nos Pintos. Ao discursar, o presidente da Câmara Municipal defendeu à reeleição de Leonardo, afirmando ser ele "o melhor para Mossoró". "Estou ao lado de Leonardo, e peço à população dos Pintos para votar em 3 de outubro no 25111", conclamou Claudionor. MÉDICOS TENTAM ISOLAR VÍRUS DA DENGUE TIPO 4 Depois do registro de quatro casos suspeitos de dengue tipo 4 em Boa Vista, capital de Roraima, o Ministério da Saúde e autoridades locais tentam, agora, isolar o vírus no estado para impedir que ele chegue a outras partes do país. Ontem, agentes comunitários iniciaram visitas às casas de moradores dos bairros Buritis, Santa Teresa, Pricumã e Cidade Satélite, onde foram identificados os casos suspeitos, para mapear se há novos casos. O trabalho, chamado de busca ativa, deve ser feito até o final da próxima semana, de acordo com o ministério. Outra medida adotada é a aplicação de inseticida em locais propícios para os criadouros do mosquito transmissor da dengue, o Aedes aegypti. O ministério emitiu um alerta nacional sobre a possível entrada do vírus tipo 4 no país. O sorotipo viral 4 da dengue está fora do Brasil há 28 anos, segundo o ministério. Por não circular no país durante esse período, a maior parte dos brasileiros não tem imunidade contra esse tipo da doença, situação favorável ao surgimento de uma epidemia, segundo o infectologista da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Edmilson Migowiski. Outro agravante é se a pessoa tiver contraído a dengue tipo 1, 2 ou 3 e for, depois, infectada pelo vírus tipo 4. Isso aumenta a chance de desenvolver a forma mais grave da dengue. "É uma situação extremamente preocupante. Você tem uma população que já teve dengue antes e está vulnerável a um novo vírus. O índice de letalidade pode ser muito maior", alerta o especialista. O coordenador do Programa Nacional de Controle da Dengue, Giovanini Coelho, que está em Boa Vista, reconhece o risco de transmissão acelerada da dengue caso ocorra a dispersão do vírus. "A possibilidade de transmissão de dengue é muito grande se esse sorotipo circular nos centros urbanos", afirmou, em entrevista na capital de Roraima. O ministério e as secretarias estadual e municipal de Saúde montaram uma espécie de gabinete de emergência para monitorar o vírus tipo 4 em Roraima, que integra a lista dos oito estados com a maior incidência de dengue neste ano. O sorotipo 4 circula em dez países do Continente Americano, entre eles a Venezuela, que faz fronteira com Roraima e por onde pode ter ocorrido a entrada do vírus. Um estudo de uma fundação do Amazonas teria identificado o tipo 4 da dengue em Manaus, antes dos casos registrados em Boa Vista. Porém, o estudo foi refutado pelo Ministério da Saúde, pois as contraprovas dos exames, feitas por um laboratório do ministério, não comprovaram a presença do sorotipo. Após exames preliminares apontarem a ocorrência do vírus 4 em Boa Vista, as amostras estão sob análise do Instituto Evandro Chagas (IEC), em Belém, para exames complementares. De janeiro a 3 de julho deste ano, foram registrados 788.809 casos de dengue no Brasil - 158,7% a mais em comparação com o mesmo período de 2009. Assessoria de Comunicação do Cremern Telefone: 4006-5343 Contatos: Casciano Vidal: 9990-1473 Ana Carmem: 9909-4100
 
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner