Rede dos Conselhos de Medicina
PNEUMONIA NO IDOSO E OUTROS TEMAS - Leia mais notícias no Clipping Cremern 30/08/2010
TRIBUNA DO NORTE PNEUMONIA NO IDOSO E OUTROS TEMAS Por: Dr. João Mariano Sepúlveda A cada inverno é o mesmo quadro, nós preocupados, e as infecções das vias aéreas superiores, principalmente as pneumopatias, e destas a mais comum, a pneumonia pneumococcia, que levam à óbito todos os anos, um sem numero de gerontes! O streptococcus pneumoniae é um antigo e dissimulado adversário, do geriatra e inimigo regular do idoso. Faz parte do grupo das PAC, Pneumonias Adquiridas na Comunidade! Segundo a Organização Mundial de Saúde, casos de infecção com bacteremia, afetam quase vinte em cada cem mil idosos, com até 50 mil novos casos ao ano, e com mortalidade de até 60% de mortalidade nos idosos americanos! Taxa muito alta, de cada dez, seis podem perecer!!! Esta taxa é estável a mais de 60 anos tornando sua prevenção alta prioridade! Presente naturalmente em nossas vias aéreas superiores, principalmente na nasofaringe, região de nariz, e transmitido através dos perdigotos que são as gotículas de saliva, espelidas ao se falar, tem sintomatologia, e quadro clínico relativizado, de acordo com as condições de saúde de seu hospedeiro! O que faz do idoso fragilizado por outras patologias, sua presa preferencial, assim como os adultos com sistema imunológico comprometido, por câncer, AIDS, diabetes, alcoolismo, doenças crônicas do pulmão, rim ou fígado, e em especial os tabagistas! Já no adulto hígido, muitas vezes cursa como uma gripe mais forte! Além do comprometimento pulmonar pode cursar como forma invasiva, levando a bacteremia, presença da bactéria no sangue, que cursa com ou sem pneumonia, e se manifesta em forma de meningite, presença da bactéria no sistema nervoso central, artrite, presença da bactéria nas articulações, ou endocardite, quando esta incide no coração! A Síndrome nefrótica é uma das mais graves complicações desta infecção! A otite média aguda e a sinusite são as mais comuns! Nos idosos não podemos esperar as manifestações clínicas clássicas das infecções, como febre, tosse, com expectoração purulenta, rigidez na nuca, aumento do baço, ou do fígado, ou manchas na pele, para suspeitar de doença infecciosa! Sinais como indisposição, perda de apetite, delírios, alterações comportamentais, desanimo, podem ser prenúncio desta atividade! Os exames para isolamento da bactéria passa pela pesquisa no líquido cefalo raquidiano, hemoculturas, liíquido pleural, exame direto de secreções pulmonares e otorrrinolaringologica, bem como a detecção de antígenos (poliosídeo C) solúveis, na urina! O tratamento passa pela utilização de antibioticoterapia clássica, eficaz, porem altamente tóxica ao geronte, podendo levar a uma situação iatrogênica, e aumentando a incidência de complicações! A prevenção com a melhora do estado nutricional, imunológico, evitando as infecções das vias aéreas superiores, e principalmente mantendo em dia a profilaxia com imunização direta anti pneumonia, e das infecções satélites tipo gripe comum e H1N1(suína)! A vacinação contra a pneumonia traz a vantagem de ser qüinqüenal, ou seja, a cada 5 anos e tem alto índice de eficácia na proteção dos idosos! Uma vez detectada deve ser sequenciada até sua resolução completa, inclusive com a utilização da fisioterapia respiratória e a negativação dos exames e resolução da radiografia! A demora no diagnóstico ou qualquer grau de negligência, pode custar a vida do doente! MÉDIA DE VACINAÇÃO FOI DE 87% Apenas 50 dos 167 municípios do Rio Grande do Norte conseguiram atingir a meta de vacinar 95% das crianças contra a pólio nas duas campanhas realizadas este ano. A campanha de reforço, ou segundo dose, foi encerrada nesta sexta-feira. No RN, a média foi de 87,85%, índice que deverá crescer um pouco porque o Sistema Nacional de Imunização ainda está recebendo dados das secretarias estaduais e municipais de saúde. Dos municípios que atingiram a meta nas duas campanhas, vinte e dois ultrapassaram os 100%, como foi o caso, entre outros, de Felipe Guerra (115,27%), Riacho da Cruz (111,88%), Triunfo Potiguar (109,14%) e Janduís (109,06%). Na regional de Saúde da Grande Natal apenas Parnamirim e São Gonçalo ultrapassaram os 95%. Na ponta de baixo da tabela, Touros, Areia Branca, Riachuelo, São Tomé e Monte Alegre não atingiram 70% de cobertura vacinal. Esse fraco desempenho só não preocupa os médicos porque o último caso da doença foi registrado em 1989. De acordo com o Sistema de Informações do Programa Nacional de Imunização foram vacinadas no Rio Grande do Norte 235.345 crianças de um total de 267.905. Na região Nordeste, apenas Pernambuco e Paraíba tinham alcançado, até a sexta-feira passada, a meta do Ministério da Saúde. Na segunda etapa da campanha foram vacinadas no Brasil 13,4 milhões de crianças. Quem ainda não vacinou os filhos menores de cinco anos deve procurar o posto de saúde mais próximo de sua casa. AMBULÂNCIAS ENTREGUES POR LULA ESTÃO HÁ 80 DIAS NO PÁTIO Há 81 dias o presidente Lula esteve em Natal para entregar 24 novas ambulâncias para o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), mas até agora nenhuma delas foi liberada para os municípios para os quais se destinavam. As ambulâncias estão guardadas num antigo galpão do Departamento Estadual de Trânsito (DER-RN), na esquina da rua Miguel Castro com a rua Romualdo Galvão, em Lagoa Nova, que foi cedido à Polícia Militar para abrigar o Complexo Tático Operacional do Batalhão de Choque. As ambulâncias foram entregues numa solenidade ocorrida no Centro de Convenções de Ponta Negra, no dia 9 de junho, em que esteve presente o governador Iberê Ferreira de Souza. A TRIBUNA DO NORTE tentou ontem de manhã, por diversas vezes, falar com o secretário estadual de Saúde de Saúde Pública, George Antunes de Oliveira, mas em nenhuma vez ele atendeu o celular pessoal ou funcional do governo, bem como a sua assessoria de imprensa, para informar quando as ambulâncias realmente seriam entregues aos municípios. Na época, foi informado que o Ministério da Saúde estava investindo R$ 10,36 milhões para a expansão do serviço SAMU/192, enquanto R$ 14,29 milhões seriam destinados por ano para a manutenção do serviço. O governo estadual entraria com uma contrapartida de R$ 6 milhões. No mesmo dia 9 de junho o ministro da Saúde, José Gomes Temporão, inaugurava a primeira Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Rio Grande do Norte, no conjunto Pajuçara, na Zona Norte de Natal, das 11 que serão construídas em todo o Estado. As 24 ambulâncias fazem parte de um lote de 77 que ainda serão entregues aos municípios. Elas dividiam o espaço do galpão com 233 motocicletas de 250 cilindradas que estão sendo adesivadas para serem entregues à Polícia Militar do Rio Grande do Norte. Na ocasião da entrega das ambulâncias, o governador Iberê Ferreira chegou a dizer que os usuários do serviço do SAMU seriam atendidos no máximo em 20 minutos a cada chamado das ambulâncias do SAMU, que atualmente tem um índice de cobertura populacional no Rio Grande do Norte de 49,6%, que praticamente abrange somente a Região Metropolitana de Natal (RMN), com a circulação de 29 ambulâncias em apenas dez dos 167 municípios. O governo subdividiu o atendimento do SAMU em três macrorregiões: Metropolitana, com abrangência de 60 municípios; Oeste/Alto Oeste, 62 municípios e Seridó, 44 municípios, com gerenciamento por um Consórcio Intermunicipal de Saúde, que recebem, em maio, a adesão de 121 prefeitos. DIÁRIO DE NATAL SAÚDE // PREFEITURA REFORMA UNIDADE Até o final do próximo mês de setembro serão concluídos os serviços de reforma e ampliação da Unidade Básica de Saúde de Brasília Teimosa. As obras resultam de um investimento de R$ 173,751 mil. De acordo com a diretoria da Unidade de Saúde de Brasília Teimosa, Célia Maria Barbosa de Freitas, no prédio foi feita a ampliação das salas da direção, administração e regulação (marcação de exames). "Uma das novidades será a construção de um salão de múltiplo uso de aproximadamente 100 m² equipado com copa, almoxarifado e banheiros adaptados", informou a diretora. VACINAÇÃO // SÃO GONÇALO ATINGE 98% DE COBERTURA A Secretaria Municipal de Saúde de São Gonçalo do Amarante atingiu 98% de imunização na vacinação contra a poliomielite, mais conhecida como paralisia infantil, superando a meta de 95% estabelecida pelo Ministério da Saúde para a vacinação de crianças com até 4 anos de idade. No município já foram vacinadas cerca de 8.540, de um total de 8.704 crianças, restando 168 para serem imunizadas. Segundo Micheline Borges, coordenadora de vigilância em saúde, a meta da Secretaria de Saúde é vacinar 100%. EFICIENTES, MAS PERIGOSOS Médicos advertem pacientes sobre os riscos do uso indiscriminado de medicamentos à base de corticoides Usar medicação à base de corticosteroides sem acompanhamento médico pode trazer uma série de preocupações e problemas extras ao paciente que trata de inflamações, alergias e sintomas autoimunes. Presente desde pomadas para irritações na pele, bombinhas para asma, comprimidos para tratamento de urticárias até doenças crônicas relacionadas ao sistema imunológico, os corticoides são considerados fármacos de rápida resposta, essenciais em tratamentos de imunossupressão. No entanto, especialistas alertam sobre a necessidade do acompanhamento médico para quem toma esse tipo de medicação, responsável por diversos efeitos colaterais. "Quando usado pelo tempo certo, em dose e potência corretas, o corticoide é eficiente e preciso. Não é preciso ter medo", afirma Marly da Rocha Otero, presidente da Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia no Distrito Federal. No entanto, devido à facilidade de compra, sem necessidade de receita médica, várias pessoas fazem uso prolongado da medicação. "Qualquer coceira vira motivo para comprar uma pomada, comprimidos são usados para alergia respiratória sem critérios, entre outros casos, mas isso é um erro", explica a médica. A analista de contas Lenna Cristalino dos Santos, 40 anos, fez uso de prednisona durante 10 dias sem recomendação médica para tratar de urticárias que apareceram no corpo. "Fui ao pronto-socorro depois de cinco dias de coceira e ardência na pele. Mas não tenho certeza do que causou o problema", conta Lenna. Ela afirma que o médico prescreveu uma injeção - aplicada no momento da consulta para diminuir a reação - e comprimidos de prednisona a serem administrados por cinco dias. "O efeito foi rápido. Como ainda restavam algumas erupções, resolvi tomar o remédio por mais tempo. Não sabia que isso poderia me fazer mal. Em nenhum momento fui informada que não deveria prolongar o tratamento, nem pelo médico nem pelo farmacêutico que me vendeu o remédio." Segundo Priscila Parente, farmacêutica clínica, a administração de corticoides para casos de inflamação e alergias não deve ser prolongada. Tomar remédios além do tempo estipulado, como Lenna fez, pode ser perigoso. "É importante seguir à risca o que foi prescrito. Tratamentos desse tipo não costumam ultrapassar os 10 dias de medicação. Em emergências, alguns médicos receitam o corticoide para aliviar sintomas rapidamente. Mas é essencial que a paciente procure um profissional após isso, com o objetivo de identificar o porquê da irritação na pele." Para Priscila, prolongar a medicação pode ser grave, já que provavelmente ela não está tratando o motivo da alergia ou da inflamação, apenas diminuindo os sintomas. "O paciente precisa de um atendimento individualizado. Nenhum medicamento vai ser isento de efeitos colaterais e só um profissional pode avaliar qual é aquele que melhor vai se adaptar ao tratamento." CONFUSÃO PARA O SISTEMA IMUNOLÓGICO Um dos riscos do uso incorreto de corticosterides está no fato de que a medicação pode confundir o sistema imunológico, a longo prazo. Essas substâncias são sintetizadas a partir do hormônio cortisol, produzido pela glândula suprarrenal. Quando a medicação é administrada por mais de um mês, por exemplo, essa glândula pode entender que não é mais necessário produzir sua cota do hormônio. Natasha Ferraroni, alergologista e imunologista, explica que ao parar o tratamento, o paciente vai ter o chamado efeito rebote, decorrente do uso incorreto de corticoides. "A doença pode voltar repentinamente porque o sistema de defesa do corpo fica debilitado. A pessoa fica suscetível a inflamações, e infecções podem ocorrer sem apresentarem sintomas", explica Natasha. As especialistas ressaltam a importância do acompanhamento médico em casos em que é necessário o tratamento prolongado com remédios que contenham corticosteroides. "As taxas de sódio, potássio, cálcio e glicose ficam irregulares com a presença do corticoide noorganismo. Alguns pacientes, inclusive, podem apresentar arritmias, aumento de peso e processo de cicatrização deficiente, além do afinamento da pele. Isso ocorre quando são usadas pomadas e cremes à base de corticoide", explica Priscila Parente. Segundo ela é importante ter acompanhamento médico para auxiliar na redução dos efeitos negativos da medicação sem que o portador de doenças crônicas, transplantados e pacientes oncológicos sofram com reações adversas. "Dentre os imunossupressores, o corticoide é um dos mais indicados e com menos efeitos colaterais. Quando o paciente tem acompanhamento de qualidade e não toma medicação indevidamente, com suplementos para equilibrar as taxas de sódio e potássio, controle de glicose, por exemplo, é possível garantir sua qualidade de vida", afirma a farmacêutica. ESTUDO // VITAMINA D ESTÁ LIGADA AO CÂNCER Um estudo da Universidade de Oxford mostra que a vitamina D pode afetar mais de 200 genes do DNA humano, inclusive regiões ligadas a doenças autoimunes, como esclerose múltipla e Crohn. Outras regiões influenciadas pela presença da vitamina são associadas a leucemia e câncer colorretal. Estima-se que metade da população mundial tenha níveis baixos da vitamina, que é produzida pelo próprio corpo quando há exposição à luz solar. Ela também é achada em ovos e peixes. A pesquisa sugere que grávidas e crianças deveriam tomar a vitamina em forma de suplemento. CÉLULAS-TRONCO // OBAMA DEFENDE USO DE VERBAS A Casa Branca afirmou recentemente que a administração continua convencida de que a pesquisa com células-tronco pode salvar vidas. O juiz Royce Lamberth decidiu aceitar os argumentos de cientistas que defendem o uso apenas de células-tronco adultas, apoiados por grupos cristãos que se opõem às pesquisas com embriões. Com a determinação, o governo Obama fica obrigado ou a recorrer contra a decisão ou a rever a autorização para que o Instituto Nacional de Saúde possa usar verbas federais nos estudos. INFECÇÕES // SUCO DE OXICOCO APROVADO A sabedoria tradicional sempre apostou no suco de cranberry, fruta conhecida no Brasil como oxicoco, como um santo remédio para combater problemas do trato urinário. Finalmente, a ciência chancelou o que as avós já sabiam. Recentemente, cientistas reconheceram que há evidências suficientes para apostar na frutinha, que se parece com uma cereja, na prevenção de doenças como infecções urinárias. Segundo a pesquisa, as infecções do trato urinário são causadas por bactérias e atacam a uretra. GAZETA DO OESTE SAÚDE REALIZA FÓRUM ESTADUAL PARA DISCUTIR ESTRATÉGIAS CONTRA DST/AIDS E HEPATITES O Programa de DST/AIDS e Hepatites Virais da Secretaria de Estado da Saúde Pública do RN (SESAP) está retomando as discussões com instituições e sociedade civil sobre as estratégias e as diretrizes das políticas públicas de combate às DST/AIDS e Hepatites. O "Fórum de Discussão e Reativação da Comissão Estadual de DST/AIDS do RN" será realizado na próxima quarta-feira, dia 1º de setembro, das 8h às 16h30, no Hotel Praia Mar em Natal. O encontro tem como objetivo ampliar as atribuições da Comissão, sugerir a participação de novas organizações, além de apresentar uma proposta de alteração do Regimento Interno. A realização do Fórum vem fortalecer as políticas públicas no Estado sobre as doenças sexualmente transmissíveis e Hepatites Virais. De acordo com a coordenadora do Programa Estadual de DST/AIDS da Sesap, Sônia da Silva, após o fórum haverá a definição de novas reuniões com pautas específicas sobre as principais questões que envolvem o tema. "Agora estamos reunindo esforços para manter constante a realização do Fórum. Precisamos do apoio de todos para fazer um Programa cada vez melhor", destaca Sônia da Silva. O evento contará com a presença de representantes da Sesap, Ministério da Saúde e lideranças locais de sociedades civis organizadas. A Comissão Estadual de DST/AIDS da Sesap foi instituída no ano de 2006, por meio da Portaria 184/06-GS, de 08 de junho de 2006. Entretanto, desde 2007 não realiza encontros para discutir novas estratégias e ações no Estado. Segundo Sônia da Silva, a reativação do Fórum de discussão é um momento de reestruturação das ações de controle e combate às DST no Estado. Ações - Mesmo sem a realização do fórum durante os últimos anos, as ações da Sesap, por meio da Coordenadoria de Promoção à Saúde, de controle das DST/AIDS e Hepatites Virais nunca foram interrompidas. Atualmente, as principais ações estão focadas na descentralização dos serviços de atendimento aos portadores de DSTs, com a implantação dos Serviços de Assistência Especializada (SAE). O atendimento ambulatorial é a especialidade dos SAEs que serão sete em todo o Estado. Atualmente, o SAE de Macaíba e São José do Mipibu já estão em funcionamento. Em breve serão abertos os SAEs de Caícó, Santa Cruz, Parnamirim, Pau dos Ferros e o de Natal. Os usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) podem contar também com os Centros de Referência no tratamento de DST/AIDS e Hepatites Virais no Estado. Serviços mais complexos, como internação, são oferecidos nos Centros, em Natal o Hospital Giselda Trigueiro e em Mossoró o Hospital Rafael Fernandes. JORNAL DE FATO ‘PODERIA TER MORRIDO SEM A UTI’ A dona-de-casa Josiane Linhares estava grávida de gêmeos, teve um parto complicado e acabou perdendo um dos seus dois bebês. Mas o desfecho final da história dessa moradora do município de João Dias, a cerca de 200 quilômetros de Mossoró, poderia ter sido ainda mais trágico. "Eu poderia ter morrido ou perdido meus dois filhos se não tivesse encontrado um leito de UTI aqui em Mossoró", relatou Josiane. O relato mostra o quanto é mínima a estrutura de saúde no Rio Grande do Norte. Hoje, Josiane sorrir com o pequeno Kaio nos braços, mas outras mães podem estar chorando neste momento por não ter tido a mesma sorte. Governo diz que maternidade não tem estrutura O coordenador de planeja-mento e controle dos serviços da saúde da Secretaria Estadual da Saúde, José Renato, declarou que a Maternidade Almeida Castro não tem condições de credenciar três novas UTIs Neonatal. Segundo ele, a maternidade tem estrutura limitada e deveria buscar o credenciamento dentro de sua realidade. "Falta equipamento e profissionais, por exemplo, para que a maternidade ganhe condições", relatou José Renato, acrescentando que a maternidade sempre busca credenciar um número de UTIs que sua estrutura não comporta. "No ano passado, eles queriam credenciar seis UTIs quando tinha condições apenas para três", observou, em tom crítico. José Renato contou que existe um processo em curso para o credenciamento que terá que passar por toda tramitação normal. Revelou também que solicitou revisão nos documentos apresentados pela direção da maternidade. "Se a maternidade não tem condições de credenciar três UTIs, que faça a solicitação de uma", orientou. Sobre a ação movida pelo Ministério Público (MP) para a implantação imediata das UTIs, José Renato respondeu que "não é porque o MP determinou que será feito". O coordenador acrescentou também que alguns equipamentos já se encontram em Natal, mas serão entregues na própria maternidade pelo Ministério da Saúde. Maternidade pública será discutida em audiência A instalação de uma maternidade pública em Mossoró será discutida em audiência pública no próximo dia 24 de setembro. O promotor de defesa da saúde de Mossoró, Guglielmo Marconi, destacou que essa é uma necessidade do Município. "A maternidade ficaria responsável pelos partos normais, enquanto que a privada pelos de alta complexidade", observou, lembrando que hoje a maternidade Almeida Castro é responsável por tudo. Para Guglielmo, a maternidade pública é a solução para controlar o crescimento dos índices de mortes materna e infantil. A gerente municipal da Saúde, Jaqueline Amaral, falou que a intenção da Prefeitura de Mossoró é montar uma maternidade pública de forma conjunta com os demais municípios que são atendidos por Mossoró. "Seria importante que o estado criasse um consórcio para custear esse serviço, que atende Oeste e Alto Oeste, pois Mossoró não tem condição de bancar uma maternidade sozinha", argumentou ela. Jaqueline advertiu que Mossoró já tem um alto déficit financeiro porque está se responsabilizando sozinha por 16 municípios da região. "A maternidade faz 500 partos por mês. Metade é de fora", afirmou, lembrando que a sobrecarga é muito grande. Assessoria de Comunicação do Cremern Telefone: 4006-5343 Contatos: Casciano Vidal: 9990-1473 Ana Carmem: 9909-4100
 
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner