Rede dos Conselhos de Medicina
AMBULÂNCIAS FICAM PRESAS NO HWG - Leia mais notícias no Clipping Cremern 01/09/2010
TRIBUNA DO NORTE AMBULÂNCIAS FICAM PRESAS NO HWG Sem macas, sem luvas, sem seringas, sem materiais básicos para o atendimento médico ao público e com 10 ambulâncias presas no pátio. O Hospital Walfredo Gurgel teve ontem uma manhã difícil. Enquanto profissionais reclamavam da falta de insumos básicos, como luvas, a superlotação do hospital provocou a ausência de macas para receber pacientes que chegavam nas ambulâncias do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Com isso, ficaram presas dentro do hospital as macas das ambulâncias, que, por sua vez, esperaram horas até poder voltar ao trabalho. O cenário do pátio principal do Hospital Walfredo Gurgel, ao meio dia, era o seguinte: ambulâncias paradas e enfermeiros e condutores do Samu conversando fora dos veículos. O grupo batia papo enquanto as macas das ambulâncias estavam dentro do hospital, sem poder sair porque não havia onde deixar os pacientes. Do lado de dentro, a situação não era melhor. Somente nos corredores havia 44 macas com pessoas internadas. Contrariando decisão da Justiça, o Walfredo Gurgel voltou a atender pessoas nos corredores. O motivo alegado pela direção do Hospital é a demanda excessiva. Não é segredo que o Walfredo Gurgel é o único serviço “porta aberta” para todo o Estado. Como o Hospital vive superlotado, os pacientes acabam ocupando macas improvisadas nos corredores, ao invés de leitos hospitalares. E como as macas abrigam pacientes praticamente internados não há onde colocar os que chegam pelo Samu. Assim nasce o caos. Não se pode deixar o paciente em uma cadeira ou no chão. As ambulâncias esperaram entre duas e seis horas ontem pela manhã para conseguir voltar ao trabalho. Em um determinado momento, havia 10 veículos à espera, o que significa praticamente metade do total disponível para atender toda a região metropolitana. São 12 ambulâncias básicas no Samu Metropolitano e nove no Samu Natal, além de quatro veículos equipados com UTI. Segundo as coordenações dos dois serviços, a paralisação das atividades ontem pela manhã não resultou em falta de atendimento para casos graves. No que diz respeito ao acúmulo de pacientes nos corredores, a situação, contornada há alguns meses, caminha lentamente para ser novamente grave. No início de janeiro, após anos de luta do Ministério Público, os corredores do Hospital ficaram livres de pacientes. A conquista foi mantida por alguns meses, mas lentamente retornou ao estágio inicial. Ontem havia 44 macas com pessoas sendo atendidas nos corredores, sendo 12 delas com problemas ortopédicos. Nesses casos, o Município de Natal tem a responsabilidade de transferir os pacientes para a rede privada conveniada. Em um desses casos, o usuário espera desde o dia 17 de agosto – exatos 15 dias completados hoje – a transferência para outro local. Em outras palavras, esse e outros pacientes estão sendo tratados no corredor, com macas que funcionam na prática como leitos improvisados. A acomodação dessas pessoas em local inapropriado é um descumprimento da Secretaria Estadual de Saúde de uma decisão da Justiça, conseguida por ação civil pública impetrada pelo MP. O HWG e a Sesap reconhecem o problema e afirmam estar trabalhando para resolvê-lo. O HWG informou através de sua Assessoria que a causa para o problema é a superlotação provocada pela demanda excessiva de pacientes tanto do interior quanto da capital. A Sesap informou ter pedido ajuda ao Conselho Regional de Medicina para resolver o problema. A reportagem tentou contato com a promotora Iara Pinheiro, responsável pela ação civil pública que trata das macas nos corredores, mas não obteve resposta. Coordenador do Samu relata problemas O coordenador médico do Samu Metropolitano, Jailson Vale, explicou que a retenção das ambulâncias na porta do Walfredo Gurgel por falta de macas tem se tornado uma rotina, inclusive com o número de veículos verificado ontem. Dentre as ambulâncias “presas” ontem, o Samu Metropolitano tinha cinco do seu efetivo. O restante era do Samu Natal. “Infelizmente tem se transformado em uma rotina, mas sabemos que é um problema do sistema como um todo e não somente do Walfredo Gurgel”, aponta Jailson. Ivan Cardoso, coordenador de regulação do Samu Natal, acrescentou que o Serviço procura enviar pacientes para o Hospital somente em último caso. “Tentamos ver todas as possibilidades antes de enviar para o Walfredo porque sabemos das dificuldades, mas em alguns momentos não dá para evitar”, diz Ivan. Os profissionais que lidam diariamente com o problema da superlotação e falta de macas apontam uma piora na situação nos últimos meses. Revolta Além dos problemas com a superlotação, os profissionais do Walfredo Gurgel têm tido de conviver com a falta de materiais básicos de trabalho, como luvas e seringas. O abastecimento do Walfredo Gurgel é feito de forma inconstante há algum tempo, mas desde o fim da última semana a situação chegou em um nível crítico. De acordo com médicos que passaram pelo plantão recentemente, falta também medicamentos. Profissionais do Samu Metropolitano denunciam o desabastecimento em toda a rede estadual. O médico intensivista Sebastião Paulino relatou que na última sexta-feira não havia luvas esterilizadas, luvas de procedimento e glicose na UTI do Hospital. Já o clínico geral Kaliandre Medeiros citou a inexistência de diversos tipos de fios para sutura no setor de emergência do Walfredo Gurgel. Marcelo Melo, diretor estadual do Sindsaúde, explicou o procedimento dos profissionais para conviver com o problema. “A farmácia tenta pedir emprestado o material de outras unidades. Hoje (ontem) pela manhã eles pediram ao Natal Hospital Center. Mas é uma solução paliativa porque em questão de horas o material acaba novamente”, encerra. A Sesap afirmou estar trabalhando para resolver o problema do desabastecimento. A troca de material entre as unidades é uma dessas medidas possíveis. Além disso, uma licitação está em curso para adquirir os itens em falta permanentemente. EXAMES DE HIV NO ESTADO TAMBÉM SERÃO REALIZADOS EM CAICÓ E MOSSORÓ Os diagnósticos sobre possíveis casos de AIDS no Rio Grande do Norte estão ganhando celeridade. O estado, atendendo a uma portaria do Ministério da Saúde, descentralizou os exames e, agora, hospitais regionais no Oeste e Seridó, além de Natal, também têm condições de diagnosticar os casos no estado. Com isso, a Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap) espera diminuir em pelo menos 50% o tempo de espera pelos exames. Em novembro de 2009 o Ministério da Saúde divulgou formalizou a portaria 151/2009, que entre outras coisas determinou ações dos estados para que os diagnósticos sobre casos de AIDS sejam realizados com mais rapidez. No caso específico do Rio Grande do Norte, a recomendação era que os exames deixassem de ser feitos apenas no laboratório central, que fica em Natal, e passasse a também ser realizado em Caicó e Mossoró, cidades-pólo das regiões Seridó e Oeste, respectivamente. E foi isso que a Sesap fez. Atualmente, os diagnósticos de AIDS levam em média 30 dias para serem finalizados, e o Governo do Estado quer que essa média caia para 15 dias. De acordo com a responsável técnica do Programa Estadual de DST/AIDS da Sesap, Sônia Cristina Lins, o estado treinou profissionais e adquiriu os equipamentos necessários para que os laboratórios de Caicó e Mossoró pudessem funcionar. No dia 2 de agosto, segundo a técnica, os laboratórios começaram a fazer os exames. “A demora dos exames tem ligação direta com o deslocamento das amostras e também com a grande demanda em um único hospital. Agora a tendência é que esse tempo de espera caia. Queremos que (tempo de espera) seja no máximo de 15 dias”, disse Sônia Cristina. Até o momento, a Sesap ainda não fez o levantamento sobre o funcionamento dos laboratórios, tampouco a média de tempo para que os exames sejam finalizados. Encontro Terminou nesta terça-feira (31) o 1º Encontro Estadual para o Fortalecimento das Estratégias de Adesão e tratamento com Antiretrovirais do estado. No fórum de discussões, onde estiveram presentes a sociedade civil organizada e o poder público, diversos pontos sobre o tratamento de portadores de AIDS foi debatido. “Contamos com a participação de membros do Ministério da Saúde, do Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva e representantes de movimentos sociais. Definimos algumas metas importantes para garantir que as pessoas que iniciam o tratamento não interrompam”, explicou Sônia Cristina. DIÁRIO DE NATAL HOSPITAL // HUOL SELECIONA RESIDENTES O Hospital Universitário Onofre Lopes (Huol) realiza processo seletivo para residência médica em cirurgia e traumatologia buco-maxilo-faciais. As inscrições podem ser feitas no site da Comperve (www.comperve.ufrn.br) de 14 a 28 de setembro. Serão destinadas duas vagas para candidatos portadores de certificado de conclusão do curso de odontologia, com certificação devidamente reconhecida pelo MEC, ou graduandos em final de curso. SESAP // AÇÃO PELA QUALIDADE DE VIDA Unir a prática de atividade física a uma alimentação balanceada é a principal recomendação para uma vida saudável. Conseguir melhorar a qualidade de vida dos seus servidores é o principal desafio de uma equipe formada por diversos profissionais da Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap). "Saber Viver" é o nome do projeto que será lançado no piso térreo da Sesap hoje às 8h. A iniciativa partiu da assessora técnica da Coordenadoria de Promoção à Saúde (CPS), Mychelle Nunes e conta com o apoio de diversos outros setores da Secretaria. O MOSSOROENSE DOADORES SÃO CONVOCADOS PARA NOVA ETAPA DE CAMPANHA DESTINADA À COLETA DE SANGUE ASSÚ - Numa realização conjunta da Prefeitura do Assú, por intermédio da Secretaria Municipal de Saúde, e o Hemocentro, situado em Mossoró, está previamente marcada para o próximo sábado, dia 4 de setembro, uma nova campanha de doação de sangue no município. Uma equipe técnica do Hemocentro constituída por dez pessoas permanecerá nesse dia na cidade, entre 7h30 e 15h30, promovendo a coleta de sangue de doadores de todo o município e circunvizinhança. De acordo com a informação prestada pelo secretário municipal de Saúde, Jader Torquato do Rego Neto, a municipalidade oferece todo o apoio institucional e logístico para a permanência da unidade móvel do Hemocentro. Ele adiantou que, no dia do atendimento (que é realizado gratuitamente), a viatura itinerante ficará estacionada na avenida Senador João Câmara - ao lado do Centro Clínico Dr. Ezequiel Epaminondas da Fonseca Filho. O secretário Jader Torquato observou que existem critérios que permitem ou impedem uma doação de sangue, que são determinados por normas técnicas do Ministério da Saúde, e têm por finalidade a proteção ao doador e a segurança de quem receberá o sangue doado. O doador deve apresentar documento oficial com foto (cédula de identidade, Carteira de Trabalho, certificado de reservista, carteira do conselho profissional ou carteira de habilitação). O intervalo para doação é de 60 dias para homens (até quatro doações por ano) e de 90 dias para mulheres (até três doações por ano). O secretário municipal de Saúde advertiu para alguns cuidados pós-doação: evitar esforço físico exagerado por pelo menos 12 horas; aumentar a ingestão de líquidos; não fumar por cerca de duas horas; evitar bebidas alcoólicas por 12 horas; manter o curativo no local da punção por pelo menos quatro horas; e não dirigir veículos de grande porte. No rol de pré-requisitos ainda consta: estar bem de saúde; possuir entre 18 e 65 anos de idade; pesar mais de 50 quilos; não estar em jejum (evitar apenas alimentos gordurosos nas quatro horas que antecedem a doação). Existem algumas pessoas que temporariamente podem estar proibidas de doar sangue. São aquelas que estejam com sintomas de febre; gripe ou resfriado; gravidez; puerpério (parto normal, 90 dias; cesariana, 180 dias); uso de alguns medicamentos; e pessoas que adotaram comportamento de risco para doenças sexualmente transmissíveis. HOSPITAL DE PARNAMIRIM RECEBE INVESTIMENTOS A partir da segunda quinzena do mês de setembro o Hospital Dr. Deoclécio Marques, em Parnamirim, irá contar com um moderno aparelho de Tomografia Computadorizada, adquirido com recursos da Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap). O equipamento tem capacidade para realizar, em média, 30 exames ao dia. De acordo com o diretor do hospital, Deoclécio Marques, a sala em que o tomógrafo está instalado foi totalmente adaptada para receber o aparelho e os profissionais que irão manuseá-lo, cerca de 15 pessoas, passaram por um treinamento ministrado pelo próprio fabricante do equipamento. O diretor acredita que a compra do tomógrafo é mais um avanço para a melhoria na qualidade do serviço de saúde no Estado e representa também um primeiro passo para a mudança no perfil de atendimento do hospital. "Queremos transformar o Hospital Deoclécio Marques, que atualmente é de atendimento geral, em um hospital de trauma", afirmou. Ainda segundo o diretor Deoclécio Marques, a transição será feita de forma gradativa e os atendimentos de clínica médica e pediátrica passarão a ser de responsabilidade do município de Parnamirim. Com esta mudança de perfil, a expectativa é de que sejam criados também mais 100 leitos de enfermaria. O Hospital Regional Deoclécio Marques de Lucena foi inaugurado em 9 de agosto de 2004. Hoje existem cerca de 400 servidores trabalhando em regime de plantão contínuo, com atendimento 24 horas, para urgências, emergências, clínica médica, cirúrgica e pediátrica. O hospital é utilizado ainda como hospital-escola, oferecendo campo de estágio curricular à Universidade Potiguar (UnP). CORREIO DA TARDE REFORMA DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE ESTARÁ CONCLUÍDA ATÉ O FINAL DE SETEMBRO Até o final de setembro serão concluídos os serviços de reforma e ampliação da Unidade Básica de Saúde de Brasília Teimosa, com um investimento superior a R$ 173 mil. Segundo o presidente do Centro Comunitário do bairro, Fernando Luiz da Costa, as obras representam a realização de um sonho da comunidade. "Desde que ela foi inaugurada no início dos anos 80, que não ocorre uma reforma decente como está que está ocorrendo agora", afirmou. De acordo com a diretoria da Unidade de Saúde, Célia Maria Barbosa, foram ampliadas as salas da direção, administração e regulação (marcação de exames). "Uma das novidades será a construção de um salão de múltiplo uso com cerca de 100 metros quadrados equipado com copa, almoxarifado e banheiros adaptados", informou a diretora. O espaço será destinado a eventos como palestras voltadas para área de saúde. A diretora disse ainda que as obras da unidade de saúde incluem a execução de estrutura de concreto armado (pilares, vigas e lajes) em uma área de aproximadamente 250 metros quadrados; substituição de toda a cobertura antiga por uma nova e substituição de 30% de telhas e madeiras. O prédio está ganhando também revisão de toda a instalação elétrica, hidráulica e sanitária; reparos na caixa d'água antiga e instalação de mais uma caixa com capacidade de mil litros, emassamento e pintura. Também estão em execução a acessibilidade aos banheiros da unidade, através de barras de apoio para portadores de necessidades especiais, substituição de todas as portas da unidade por portas de largura acessível à cadeirantes, substituição de todo os 470 metros quadrados de piso da unidade por piso cerâmico antiderrapante e reforma da calçada da frente de modo a adequá-la ao acesso de portadores de necessidades especiais. Assessoria de Comunicação do Cremern Telefone: 4006-5343 Contatos: Casciano Vidal: 9990-1473 Ana Carmem: 9909-4100
 
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner