Debate sobre graduacao foi coordenado pelo corregedor Joré Fernando Maia Vinagre

Debate sobre graduacao foi coordenado pelo corregedor Joré Fernando Maia Vinagre

O ensino da Pediatria na graduação foi o tema da mesa redonda realizada pela manhã no I Fórum de Pediatria do Conselho Federal de Medicina. As discussões tiveram início com uma conferência sobre o tema O currículo atual é suficiente?, apresentada pela docente Alessandra Ribeiro, que refletiu sobre o currículo atual, se ele é suficiente ou não para a formação dos profissionais.

A palestrante é coordenadora do Curso de Graduação em Medicina da Universidade Federal de Uberlândia (Uberlândia-MG). Na exposição, a docente recuperou um artigo das Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino de Graduação em Medicina. A nova orientação para os currículos de medicina define: “o graduado em Medicina terá formação geral, humanista, crítica, reflexiva e ética, com capacidade para atuar nos diferentes níveis de atenção à saúde, com ações de promoção, prevenção, recuperação e reabilitação da saúde”.

De acordo com a palestrante, as novas diretrizes indicam o compromisso da escola com a formação voltada para um eixo que atenda às necessidades de saúde da população. ”Não basta mais a gente pensar na construção de um currículo a partir de conteúdos, a partir de disciplinas. Trata-se agora de a gente pensar na formação de alguém que tenha competência para atuar. Somente pensando na construção de um currículo voltado, baseado e orientado pela competência que a gente consegue alcançar aquela formação do perfil do egresso prevista pelas diretrizes curriculares.”, analisa a representante da universidade mineira.

Disciplinas pouco ensinadas – Após a conferência que discutiu os currículos dos cursos de medicina, a mesa redonda sobre o ensino da pediatria analisou o tema “Disciplinas que faltam ou são pouco ensinadas”, com apresentação de Rosana Alves, da Universidade Federal do Espírito Santo e integrante do Conselho Regional de Medicina do Estado (CRM-ES). Na apresentação, a conselheira regional destacou temas que devem ser de conhecimento dos pediatras e abordados nos cursos, como por exemplo o abuso de álcool e o tabagismo entre jovens; a promoção da saúde pelo esporte; violência sexual na infância e trabalho infantil.

Após a palestra sobre o que também deveria ser abordado nos cursos de medicina, a mesa redonda analisou a repercussão da abertura indiscriminada de escolas medicas, preceptoria, supervisão e professores. O tema foi apresentado por Hermila Tavares Vilar Guedes, professora de Pesquisa Científica da Escola Bahiana de Medicina; presidente do Departamento de Alergia e Imunologia da Sociedade Baiana de Pediatria e membro titular do departamento correlato da Sociedade Brasileira de Pediatria; além de conselheira do Conselho Regional de Medicina do Estado (Cremeb).

Na conferência, Hermila Vilar falou sobre o aumento da demanda de docentes e preceptores com a implantação do Programa Mais Médicos, estratégia adotada pelo governo federal para interiorizar a medicina. Na avaliação da conselheira regional, a iniciativa pode estar equivocada: “ A gente acha que vai colocar escolas nos municípios e vai atrair médicos para o interior. Mas o que tem se visto é que apenas os programas de residência médica têm esse poder e não as escolas médicas, apontou a docente.

As discussões do Fórum continuaram no período da tarde, com uma mesa redonda sobre Residência em Pediatria.

Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.
AGENDAMENTO ONLINE
Atendimento presencial na sede do CREMERN
Carregando...